Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Vacinação

Nova vacina contra Covid, produzida em ovos embrionados, tem 'potencial muito grande', afirma Dimas Covas à CPI

Novo imunizante, segundo diretor do Butantan, é produzido como a vacina da gripe, “a mais produzida globalmente”

Redação com informações de Valor
28-Mai-2021 08:46 - Atualizado em 28/05/2021 10:40

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, destacou nesta quinta-feira, em sessão da CPI da Covid, que a vacina em desenvolvimento pela instituição, a Butanvac, tem um “potencial muito grande”. Ele informou que o novo imunizante é produzido em ovos embrionados, como é feito com a vacina da gripe, “a mais produzida globalmente”, nas palavras de Dimas Covas.

“O que estamos desenvolvendo aqui é uma vacina para o mundo. Isso será transferido, por este consórcio internacional que nós fazemos parte, para produtores. Não tem [cobrança de] royalties, é royalty free. Até os países mais pobres do mundo, que têm uma fábrica de vacina da gripe, poderão produzir a vacina para o covid”, afirmou.

Covas afirmou que existe um "otimismo" para começar a usar ainda este ano. Apesar de estar em fase inicial de produção, a Butanvac passa por um método de estudo comparativo, usando a Coronavac como referência. Neste momento, as expectativas se voltam para a liberação dos estudos clínicos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Sobre a efetividade da CoronaVac, o diretor do Butantan, Dimas Covas relatou em seu depoimento os resultados obtidos pelo Projeto S, com vacinação de 97% da população apta (maior de 18 anos) em Serrana, cidade no interior paulista.

“Fizemos estudo com a cidade de Serrana, de 40 mil habitantes, sendo 30 mil adultos. Vacinamos 97% da população em risco. O número de casos de idosos caiu em 70% com as duas doses”, afirmou.

A média de mortes causadas pela doença passou a ser até quatro vezes menor, se comparada com municípios com população similar na região. A variante P.1 do novo coronavírus, primeiramente identificada em Manaus, era a predominante na cidade, disse Covas. “Quando se vacina em massa, o efeito é direito sobre a evolução da pandemia. Esse é o objetivo. Enquanto não tiver essa vacinação de 97% das pessoas em risco, como foi o caso lá em Serrana, nós não vamos ter esse decréscimo natural da epidemia e ela poderá ficar sofrendo essas idas e vindas, principalmente quando surge uma variante nova.”

Assista entrevista com o executivo Roberto Kaefer, da GloboBiotech, fornecedora de ovos embrionados ao Instituto Butatan, que trata do tema, entre outros assuntos.

 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade