Basf AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Revista

"Novo momento para o ovo no exterior" é o tema da nova edição de Avicultura Industrial

Ao embarcar os ovos a diferentes destinos, a pressão interna da oferta diminui em períodos com maior excesso de oferta, além de representar um relevante ganho cambial

Redação
04-Jul-2022 09:29 - Atualizado em 04/07/2022 10:31

As exportações figuram sempre dentro do cenário de desejos do setor produtivo de ovos comerciais. Comercializar o produto no mercado internacional é uma importante válvula de escape, principalmente em contextos com custos desafiadores. Ao embarcar os ovos a diferentes destinos, a pressão interna da oferta diminui em períodos com maior excesso de oferta, além de representar um relevante ganho cambial.

O foco, claro, não é vender somente em momentos de maior aperto, mais criar canais sólidos para a distribuição nestes mercados. É fundamental estabelecer relações de confiança com clientes internacionais, garantindo um fornecimento constante e sem falhas. Isso beneficia também a produção interna, que amplia suas opções para crescimento ao mesmo tempo em que obriga todo o setor a elevar os patamares de qualidade e eficiência tecnologia frente às exigências e demanda de consumo nestes destinos internacionais.

O Brasil ainda exporta pouco a sua produção de ovos. Hoje, os embarques representam algo próximo a 0,5% da produção total de país. O percentual já foi maior, perto do 1%. No entanto, os resultados destes cinco primeiros meses de 2022 registraram o maior volume e valor em receita cambial obtidos para o período no comparativo com os últimos cinco anos.

A questão é que o ovo tem se valorizado como produto. Embora permaneça como a proteína mais acessível a todas as camadas sociais, o ovo superou os estigmas ligados à saúde que o perseguiu por anos e se diversificou.

No contexto internacional, a ABPA criou a marca Brazilian Egg e tem buscado ressaltar as características e qualidade em eventos ao redor do mundo, em uma parceria com a Apex Brasil. Internamente, companhias como Granja Mantiqueira e Granja Faria têm se aproximado do varejo, criando redes de fast food especializados em ovos, principalmente com a oferta de opções gourmet do produto.

Sabemos que os avicultores de postura têm sido penalizados com a volatilidade dos preços de grãos – especialmente para cima – impactando os custos produtivos, e toda a cadeia. Mas, é importante saber que o ovo ganha uma nova roupagem na visão do consumidor, agregado de sua alta versatilidade na cozinha. Ainda que o momento seja difícil, abre portas para uma contínua valorização do produto, estabelecendo novos patamares de preço, que tendem a beneficiar os produtores no futuro.

Uma boa leitura!

Humberto Luis Marques

Editor Avicultura Industrial

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade