Agroceres Multimix
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Argentina

O eterno recálculo do roteiro do agronegócio na Argentina

A lei que incentiva o Conselho Agroindustrial da Argentina a fomentar as exportações ainda está em fase de elaboração. Enquanto isso, surgem novos projetos contra o campo, como a modificação da diretoria do Inta.

Redação com informações de La Voz
01-Set-2021 12:28 - Atualizado em 01/09/2021 12:42

Nos últimos dias de cada mês, o Indec publica relatório que resume os valores das exportações e importações argentinas. E uma tendência que vem se repetindo nas manchetes: refere-se ao fato de os embarques para o exterior gerarem a maior receita em dólares desde 2013.

Mas esse fato atua como uma árvore sonhada que esconde uma floresta com uma paisagem de cifras mais reais: principalmente das fábricas de opinião do partido no poder, buscam escrever esse feijão ao atual Governo, ignorando que o fator chave para essa conquista é que os preços internacionais dos grãos também estão em um dos melhores níveis da última década. Traduzido: não há mérito algum em uma gestão que, ao contrário, impõe mais obstáculos à exportação do que instalações.

Esse feijão deve ser destacado para a soja, que junto com seus derivados representam um terço dos dólares que entram no país. Se você adicionar trigo e milho, eles são quase a metade. Se outros produtos agroindustriais forem adicionados, quase sete em cada 10 dólares são gerados por produtos primários e manufaturas de origem agrícola.

Mas assim como a metáfora da árvore e da floresta, esses dados também dão lugar para parar de olhar para o copo meio vazio e focar na outra metade, que pode ser o passaporte para que o copo fique completamente cheio, transborda e derrama desenvolvimento, investimento e emprego.

Embora tenham sido analisados ??e expressos à vontade, os excelentes números que mostram as exportações ligadas à agricultura são um claro exemplo da oportunidade do país de contar com seu "ouro verde" para gerar as notas daquela cor que o Banco Central não consegue. edição.

No entanto, dos gabinetes executivos e legislativos eles insistem em cutucar o vidro e que o setor nunca pode fluir.

Sem volta

Na última terça-feira foi realizada em Rosário a “Experiência Ideia Agroindustrial”, na qual um dos painéis foi intitulado “Um roteiro para o setor agroindustrial”.

Entre os palestrantes, estava Gustavo Idígoras, presidente da Câmara da Indústria do Petróleo e do Centro Exportador de Cereais (Ciara-CEC) e referência do Conselho Agroindustrial Argentino (CAA), entidade criada no ano passado e que promove uma lei que incentiva o investimento e a exportação agroindustrial.

O CAA conseguiu um diálogo que as entidades rurais nunca fizeram, mas não conseguiu ultrapassar a barreira dos políticos que prometem muito e entregam pouco. O projeto de lei, embora tenha o aval de todos os ministérios que afetam a questão, ainda está em fase de elaboração.

Segundo Idígoras, o governo aguarda a oportunidade “política” de anunciar esta iniciativa e agora a agenda é retomada pelas negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Ou seja, a Casa Rosada aposta em arrecadar mais dólares daquela organização e nem pisca para essa possibilidade de gerar mais dólares de forma genuína.

Nos últimos dias de cada mês, o Indec publica relatório que resume os valores das exportações e importações argentinas. E uma tendência que vem se repetindo nas manchetes: refere-se ao fato de os embarques para o exterior gerarem a maior receita em dólares desde 2013.

Mas esse fato atua como uma árvore sonhada que esconde uma floresta com uma paisagem de cifras mais reais: principalmente das fábricas de opinião do partido no poder, buscam escrever esse feijão ao atual Governo, ignorando que o fator chave para essa conquista é que os preços internacionais dos grãos também estão em um dos melhores níveis da última década. Traduzido: não há mérito algum em uma gestão que, ao contrário, impõe mais obstáculos à exportação do que instalações.

Esse feijão deve ser destacado para a soja, que junto com seus derivados representam um terço dos dólares que entram no país. Se você adicionar trigo e milho, eles são quase a metade. Se outros produtos agroindustriais forem adicionados, quase sete em cada 10 dólares são gerados por produtos primários e manufaturas de origem agrícola.

Mas assim como a metáfora da árvore e da floresta, esses dados também dão lugar para parar de olhar para o copo meio vazio e focar na outra metade, que pode ser o passaporte para que o copo fique completamente cheio, transborda e derrama desenvolvimento, investimento e emprego.

 
Embora tenham sido analisados ??e expressos à vontade, os excelentes números que mostram as exportações ligadas à agricultura são um claro exemplo da oportunidade do país de contar com seu "ouro verde" para gerar as notas daquela cor que o Banco Central não consegue. edição.

No entanto, dos gabinetes executivos e legislativos eles insistem em cutucar o vidro e que o setor nunca pode fluir.

SEM VOLTA
Na última terça-feira foi realizada em Rosário a “Experiência Ideia Agroindustrial”, na qual um dos painéis foi intitulado “Um roteiro para o setor agroindustrial”.

 
Entre os palestrantes, estava Gustavo Idígoras, presidente da Câmara da Indústria do Petróleo e do Centro Exportador de Cereais (Ciara-CEC) e referência do Conselho Agroindustrial Argentino (CAA), entidade criada no ano passado e que promove uma lei que incentiva o investimento e a exportação agroindustrial.

O CAA conseguiu um diálogo que as entidades rurais nunca fizeram, mas não conseguiu ultrapassar a barreira dos políticos que prometem muito e entregam pouco. O projeto de lei, embora tenha o aval de todos os ministérios que afetam a questão, ainda está em fase de elaboração.

Segundo Idígoras, o governo aguarda a oportunidade “política” de anunciar esta iniciativa e agora a agenda é retomada pelas negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Ou seja, a Casa Rosada aposta em arrecadar mais dólares daquela organização e nem pisca para essa possibilidade de gerar mais dólares de forma genuína.


Idígoras assegurou que “o Estado é derrotado pelo cansaço e não pela convicção” e que espera que depois das eleições, quando o debate incidir sobre a necessidade de gerar empregos privados, o projeto tenha uma boa oportunidade de ser apresentado e aprovado. .

A questão é se não surgirá outra prioridade que adie o debate pela enésima vez. Os sinais que produtores e dirigentes veem não são de um roteiro liberado, mas, ao contrário, mais piquetes que tornam a estrada intransitável: o último marco foi o projeto apresentado por dois deputados da Frente de Todos para modificar o Conselho de Administração de o Inta e eliminar os representantes dos produtores.

A consequência é um eterno recálculo do GPS político, que deve definir o rumo do setor com melhores condições de competir no mercado global. E que o destino inevitável seja uma colisão após a outra.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade