Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

O fim do descarte de pintos machos?

De leis pioneiras a compromissos de grandes incubatórios, iniciativas ao redor do mundo indicam que o descarte de pintos machos na indústria de ovos tem seus dias contados

Anna Cristina de Oliveira Souza

Médica veterinária graduada pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, com experiência nas áreas de bem-estar animal, assuntos regulatórios e avicultura alternativa com enfoque especial em produção orgânica.

07-Jul-2021 09:45 - Atualizado em 07/07/2021 12:02

Profissionais e organizações dedicadas ao bem-estar de animais de produção colocam em pauta o problemático descarte de pintos machos na cadeia produtora de ovos há décadas. No entanto, a indústria hesita em cessar esta prática, argumentando que não existem alternativas viáveis e acessíveis para substituir os atuais métodos. Porém, movimentos recentes em diversos países indicam que talvez esta mudança não seja opcional por muito tempo.

Na União Europeia, a diretriz (EC) nº 1099/2009 permite o método de trituração para descarte dos machos desde que cause a morte imediata dos pintos e seja feito no máximo 72 horas após eclosão. Em 2019, a Suíça baniu o método de trituração, mas ainda permite que os animais sejam descartados com uso de gases (asfixia por monóxido de carbono). Em 2020, França e Alemanha anunciaram a intenção de banir o descarte de pintos machos até o final de 2021 e, em maio deste ano, a Alemanha se tornou o primeiro país a banir legalmente a prática, a partir do primeiro dia de 2022. Esta lei “virou a ampulheta” para o restante do mundo e deu início a uma corrida tecnológica em busca de alternativas. Além destas iniciativas no âmbito regulatório, diversos países europeus já comercializam uma categoria especial de ovos: os cull-free eggs, ou seja, ovos oriundos de cadeias que não praticam o descarte de pintos machos.

Nos Estados Unidos, em 2016, a United Egg Producers anunciou que planejava encerrar o descarte de pintos machos até 2020. Porém, no ano passado a cooperativa anunciou que ainda estava em busca de uma alternativa comercialmente viável, mas que o objetivo é alcançável através de tempo e pesquisa. Como outra iniciativa importante, a USPoultry investiu cerca de U$100.000 em startups e instituições de pesquisa buscando opções para encerrar o descarte de pintos machos.

No Brasil, a realidade não parece estar tão distante. Além de ações de organizações defensoras do bem-estar de animais de produção e de esforços da academia e indústria para desenvolver alternativas viáveis, alguns projetos de lei estão em andamento, visando banir os principais métodos empregados para descarte de pintos machos.

Em tramitação desde 2015, o PL 1045/2015 propôs proibir no estado de São Paulo o descarte de aves através dos métodos de trituração, eletrocussão, sufocamento e qualquer outro meio cruel. Outro projeto de lei, o PL 4697/2016, também almejou encerrar o descarte de pintos machos em estabelecimentos avícolas de postura comercial através de trituração, sufocamento ou qualquer outro método cruel. Desta vez, a aplicação da proposta seria a nível nacional. O mais recente projeto de lei, de 2021, foi desenvolvido em parceria com as organizações não governamentais Animal Equality Brasil, Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, Sinergia Animal e Mercy For Animals, que formam a Coalizão de Proteção Animal. O PL 256/2021 visa retomar a discussão e proibir, no estado de São Paulo, o descarte de pintos machos por meio de trituração, eletrocussão, sufocamento ou outros métodos similares. Ainda, adiciona que incubatórios e empresas de genética terão o prazo de 1 ano para se adequarem, uma vez que houver tecnologia de sexagem in ovo disponível no mercado. Nestas condições, o descarte dos ovos deverá ser feito até o sexto dia após o início da incubação.

No geral, a indústria também não apoia a prática. Além da polêmica no âmbito da crueldade animal, o descarte anual de bilhões de pintos machos, que compõem aproximadamente metade das aves nascidas, é um processo ineficiente e oneroso. O grande limitante para avançar é a disponibilidade de alternativas.

Dentre as opções desenvolvidas até o momento, a sexagem in ovo é a mais difundida. Existem diversos métodos para determinar o sexo da ave ainda no ovo, desde o uso de biomarcadores, genotipagem por PCR, análises hormonais e até técnicas fotônicas. Há, também, um grande argumento a favor das linhagens de dupla aptidão, possibilitando a produção de carne e ovos e assim eliminando a necessidade de selecionar um dos sexos das aves. Porém, do ponto de vista de eficiência zootécnica e considerando o nível de especialização que a genética avícola atingiu, esta não é uma opção muito atraente. Diversos pesquisadores têm investido em projetos para inovação nesta área e a expectativa é de que novas tecnologias alavancarão este processo de mudança.

Assim como o movimento cage-free para poedeiras, que partiu da ponta da cadeia e transformou mundialmente a indústria de ovos, espera-se que o mesmo impacto seja observado no movimento contra o descarte de pintos machos. A questão não é mais “se” esta mudança ocorrerá, e sim “quando”. O fato é que a prática tem seus dias contados e as cadeias produtoras de ovos no mundo inteiro deverão se renovar.

Assuntos do Momento

20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do quilo frango vivo tem cenários diferentes nas principais praças

Segunda quinzena de setembro fechou sua primeira semana com contrastes no preço do frango vivo; em Santa Catarina ocorreu uma forte queda; já no Paraná, ligeira alta e nas demais praças houve estabilidade.

14 municípios do PR superam R$ 1 bilhão em Valor Bruto da Produção Agropecuária
23 de Setembro de 2021
Produção

14 municípios do PR superam R$ 1 bilhão em Valor Bruto da Produção Agropecuária

Produção no campo paranaense foi de R$ 128,273 bilhões, estabelecendo mais um recorde, com crescimento real de 21% em relação a 2019

Custos de produção de frangos de corte e de suínos ficam mais caros em agosto
21 de Setembro de 2021
Embrapa

Custos de produção de frangos de corte e de suínos ficam mais caros em agosto

Tanto o ICPFrango quanto o ICPSuíno voltaram a ficar acima da barreira dos 400 pontos, chegando aos 407,53 e 407,15 pontos, respectivamente

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

Suspensão PIS e COFINS para Importação de Milho
23 de Setembro de 2021
Posicionamento

Suspensão PIS e COFINS para Importação de Milho

A operação beneficia a toda a cadeia produtiva da avicultura e da suinocultura

Isolamento de Salmonella spp. de origem avícola
22 de Setembro de 2021
Análise Laboratoriais

Isolamento de Salmonella spp. de origem avícola

Galinhas infectadas com muitos dos sorovares de Salmonella podem albergar o agente sem apresentarem sinais clínicos, o que torna o isolamento desta bactéria um fundamento básico na prevenção da enfermidade, principalmente em seres humanos

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade