Guia Gessulli
22-Jun-2020 10:02 - Atualizado em 22/06/2020 10:15
Sanidade

OIE pede que países mantenham esforços para combater doenças animais

A manutenção de atividades veterinárias é essencial para evitar os impactos negativos das doenças animais, que podem exacerbar as atuais crises sanitárias e socioeconômicas.

Apesar dos impactos devastadores do COVID-19, que levaram a restrições de movimento global, as doenças animais continuam a se espalhar pelo mundo. As doenças animais transfronteiriças afetam gravemente a saúde e o bem-estar animal, bem como os meios de subsistência de milhares de famílias. Essas doenças representam uma séria ameaça à segurança alimentar global quando amplamente divulgadas e colocam em risco os sistemas de produção animal.

Na sexta-feira (19/06) a Organização Mundial para Saúde Animal (OIE) publicou seu relatório anual sobre a situação global da saúde animal, chamando a atenção para doenças animais para as quais foram observadas situações epidêmicas em 2019 e 2020, bem como para outras doenças com estratégias globais de controle ou erradicação.Em meio à pandemia do COVID-19, os países são chamados a manter seus esforços para preservar a saúde e o bem-estar animal. Nesse sentido, são fornecidas recomendações no relatório para ajudar os Serviços Veterinários nacionais a implementar medidas eficazes de vigilância, comunicação e controle. A manutenção dessas atividades é fundamental na situação atual.

Limitar o impacto das epidemias de doenças animais

Vários fatores contribuíram para a disseminação de doenças animais nos últimos anos, levando a situações epidêmicas, muitas das quais ainda persistem.

Um aumento mundial de casos de peste suína africana (PSA) foi observado no último ano. Um dos maiores desafios do controle dessa doença mortal dos porcos é a ausência de uma vacina eficaz. A PSA foi relatada por 28% dos membros da OIE (42 dos 150 países e territórios declarantes) distribuídos na maioria das regiões da OIE. Em um curto período de tempo, a doença desencadeou uma grande crise na indústria de suínos, causando enormes perdas de suínos, impactos socioeconômicos prejudiciais e até ameaçando perturbar a cadeia de suprimentos mundial de suínos e outros subprodutos suínos.

Em resposta a esta ameaça global, a OIE vem trabalhando ao lado de seus membros e da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para implementar iniciativas regionais para uma resposta coordenada, no âmbito da Estrutura Global para o Controle Progressivo de Doenças Animais Transfronteiriças ( GF-TADs). Esses esforços contribuíram para aumentar o número de países que implementam medidas de vigilância e controle para PSAao longo dos anos, atingindo 90% dos países relatores em 2018-2019 (175/194). Os países são instados a continuar implementando medidas relevantes e a relatar os surtos de PSA em tempo hábil através do Sistema Mundial de Informação sobre Saúde Animal da OIE (WAHIS).

Dadas as características desafiadoras da doença, a resposta deve envolver ações coordenadas e cooperação internacional. Nesse sentido, está prestes a ser lançada uma iniciativa dos GF-TADs para o controle global do PSA.

Outro desafio para os serviços veterinários e de saúde pública é a gripe aviária de alta patogenicidade (HPAI). Devido às sérias conseqüências para os meios de subsistência e o comércio internacional, tem sido uma das doenças animais mais relatadas nos últimos anos. A análise da dinâmica de surtos de HPAI apresentada no relatório da OIE mostra um aumento da atividade do vírus nos primeiros meses de 2020. As cepas de influenza aviária têm um potencial impacto zoonótico e a capacidade de sofrer mutações e evoluir rapidamente. Nesse contexto, promover a transparência e entender a situação global continua sendo uma prioridade para proteger a saúde pública e garantir um comércio seguro de animais e produtos de origem animal.

Esses exemplos demonstram que a epidemia animal acarreta impactos devastadores que podem intensificar a crise em curso. Nos tempos do COVID-19, os países são incentivados a manter e reforçar seus esforços para preveni-los e controlá-los.

Redação AI/SI
Deixe seu Recado