Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Os grandes temas da moderna agricultura

Na nova agricultura, que vem ganhando a cada dia mais importância, a questão da sustentabilidade passa a ter destaque, especialmente a ambiental, além é claro, da segurança alimentar e a produção de alimentos seguros

Fernando Mendes Lamas

Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS

25-Jun-2021 08:37

Até meados do século 19, a agricultura era uma atividade cuja principal função era prover as pessoas de alimentos e fibras. A preocupação central era garantir a segurança alimentar das pessoas que estavam, na maioria dos casos, muito próximas das áreas de produção. Atualmente, a agricultura é multifuncional, seus produtos são utilizados também, para a produção de energia, cosméticos, medicamentos, móveis, tintas, água e para o turismo. Na nova agricultura, que vem ganhando a cada dia mais importância, a questão da sustentabilidade passa a ter destaque, especialmente a ambiental, além é claro, da segurança alimentar e a produção de alimentos seguros. O conceito de sustentabilidade ESG, sigla em inglês que significa econômico, social e governança, passa a ser incorporado nas empresas pois está sendo considerado por consumidores e investidores. Organismos internacionais como a FAO – órgão das nações unidas para agricultura e alimentação e a OMC - Organização Mundial do Comércio, elegeram a década de 2020 como a década de ações para a sustentabilidade. Eventos internacionais para discutir os temas acima, estão previstos para ocorrerem durante o ano de 2021. O primeiro deles, promovido pela Organização das Nações Unidades – ONU, é a cúpula dos sistemas alimentares, quando serão discutidos temas relativos à agricultura, nutrição, meio ambiente e saúde. Pelos temas a serem discutidos no evento promovido pela ONU, não fica qualquer dúvida que a agricultura passa a ter uma nova dimensão, além da produção de alimentos, fibras e energia. Para se ter uma ideia prática da importância da sustentabilidade, a China passa a considerar a questão da sustentabilidade com estratégica, exigindo de seus produtores e dos países dos quais importa, principalmente alimentos, critérios de sustentabilidade. Também será realizado neste ano de 2021 na China, a convenção da diversidade biológica. Nesse evento, a partir de objetivos definidos através do Protocolo de Nagoya sobre Acesso a Recursos Genéticos e Repartição de Benefícios decorrentes da sua utilização (em inglês, ABS, Access and Benefit-Sharing) da Convenção sobre Diversidade Biológica Justa e Equitativa, quando ficou acertada a repartição justa e equitativa entre seus membros dos benefícios decorrentes dos recursos genéticos provenientes das plantas, animais e micro-organismos.

Em outras palavras, buscou-se uma justa partilha das rendas auferidas através da exploração de processos e produtos comerciais derivados de recursos genéticos. Cabe aqui lembrar que a soja é originária da China, a cana-de-açúcar da Indonésia, o café da Etiópia, os bovinos zebuínos são originários da Índia. Com esses exemplos fica claro o quanto a convenção da biodiversidade biológica é um tema sensível. Outro tema da maior importância a ser discutido durante o ano de 2021 na conferência do clima, a ser realizada entre os dias 1º e 12 de novembro, na Escócia, fatores que contribuem para a emissão de gases de efeito estufa estarão no topo das discussões.  O Brasil tem avançado de forma significativa nessa área, destacando-se a integração lavoura-pecuária-floresta – ILPF (https://bit.ly/2UmhWe0), o sistema plantio direto (https://bit.ly/3xYVxlN), carne carbono neutro (https://bit.ly/3qlnsJP) e a soja baixo carbono (https://bit.ly/2UufceO).

O plano Agricultura de Baixo Carbono, que preconiza adoção de tecnologias como o sistema plantio direto, a ILPF, a fixação biológica de nitrogênio, dentre outras tecnologias que contribuem para mitigar a emissão de gases de efeito estufa, é um dos componentes da política pública para descarbonizar a agricultura brasileira. Iniciativas importantes estão sendo implementadas pelos produtores de algodão que através do selo de Algodão Brasileiro Responsável – ABR, tem como fundamentos promover a evolução progressiva das boas práticas sociais, ambientais e econômicas a fim de construir uma boa imagem do algodão brasileiro e conquistar espaço no crescente mercado do algodão responsável.? No que se refere às práticas ambientais, os produtores são estimulados  proteger nascentes, cursos e reservas de água;
preservar os biomas e o solo;
manter a qualidade do ar, da água e do solo.? No caso do algodão a iniciativa é liderada pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão – ABRAPA (https://bit.ly/3h02lbB ). Outro exemplo é o Programa Soja Plus, que prevê a melhoria contínua das propriedades rurais, que tornou-se referência em âmbito nacional e internacional e é reconhecido como o mais eficiente programa de gestão de propriedade e gerenciador de riscos socioambientais (https://bit.ly/3vROSIi). Esse programa é executado pela Aprosoja-MT.

Diversos são os exemplos de iniciativas onde o foco é a sustentabilidade da atividade agropecuária. Pelos exemplos acima, verifica-se que o Brasil está muito bem sintonizado com os temas atuais da moderna agricultura. No entanto, ainda temos muito onde melhorar, especialmente no que se refere a adoção das tecnologias já disponíveis, o que em muito impactará positivamente na forma de se produzir alimentos, fibras e energia. Em outros temas como a diversidade biológica, aspectos de nutrição e saúde a partir da agricultura, ainda temos um espaço para que possamos avançar. O mesmo pode ser dito em relação ao uso de insumos químicos tais como fertilizantes e agentes de controle de plantas daninhas, pragas, doenças, nematoides e ácaros que podem causar danos econômicos aos principais cultivos agrícolas. Faz-se necessários esforços articulados para minimizar o uso de tais produtos na agricultura.  

Otimizar o uso da água na agricultura também constitui um tema a ser mais estudado. Aumentar a produtividade, minimizar os riscos, otimizar o uso dos recursos naturais, especialmente solo e água, sem perder de vista os grandes temas ligados a produção de alimentos, fibras e energia que a cada dia ganham mais espaço nos fóruns internacionais, onde o tema agricultura é discutido, deve ser a prioridade de todos os envolvidos com a produção agrícola, pois estes apresentam demanda crescente.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade