Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Artigo

Os prejuízos causados pela aflatoxina na avicultura

Entenda como as aflatoxinas influenciam negativamente na produção avícola e de que forma seus efeitos alteram os índices de eficiência produtiva

Por Caroline Facchi
11-Jan-2021 08:46

Apesar de todos os esforços do campo, fábrica de rações e granjas, as micotoxinas ainda causam prejuízos na produção animal, demandando tempo e atenção dos profissionais do setor, que buscam minimizar o impacto dessas toxinas na alimentação animal. Algumas variedades de micotoxinas são mais nocivas que outras, fator que depende da concentração, espécie e a fase do animal. As micotoxinas DON (Desoxinivalenol) são mais prejudiciais para suínos, por outro lado, a Aflatoxina é uma das que causa grande debilidade nos lotes de aves. Entenda a seguir como a aflatoxina influencia de forma negativa na produção avícola.

Entendendo a toxina

Aflatoxina é o nome comum das toxinas produzidas pela espécie de fungos do gênero Aspergillus, sendo que os fungos mais comuns são o Aspergillus flavus e o Aspergillus parasiticus (Santurio, 2000).

Essa toxina possui rápida absorção no intestino delgado dos animais, o que a torna extremamente tóxica, ou seja, uma das micotoxinas mais potentes encontradas. A descoberta dessa aflatoxina, ocorreu no ano de 1960, após surto com alta letalidade em perus na Inglaterra, conhecida como turkey-x-disease. Nessa ocasião morreram milhares de aves após o consumo de torta de amendoim, adicionada na ração. A matéria-prima, no caso o amendoim, estava contaminada por micotoxinas, originárias do Brasil (Sargeant et al., 1961).

A aflatoxina absorvida é ligada de forma irreversível à albumina e, em menor escala, com outras proteínas. Na figura a seguir as aflatoxinas são biotransformadas no sistema microssomal hepático em metabólitos extremamente tóxicos, no caso das aflatoxinas B2a e 2,3-epoxido. Os metabólitos têm capacidade de se unir de forma covalente com constituintes intracelulares, contendo DNA e RNA, além de mudar a síntese de proteína no tecido hepático (SANTURIO, 2000).

Essa união de aflatoxina com proteínas geram o mau funcionamento do fígado, causando uma intensa alteração nas propriedades funcionais e na síntese de proteínas das aves. Um dos primeiros sinais clínicos causados pelas aflatoxinas são as alterações no tamanhos na coloração e na textura dos órgãos internos, além de reduzir o ganho de peso diário, consequentemente, ocasionando a morte das aves.

O que regem os órgãos regulatórios sobre os níveis de contaminação

Devido a sua problemática nos lotes de frangos, foram definidos alguns parâmetros que tornam aceitáveis alguns níveis dessa contaminação na ração. Porém, ainda é contraditório em alguns pontos, visto que o LAMIC (Laboratório de Análises Micotoxicológicas) aponta que:

·         Na fase inicial da criação de frango de corte não é aceitável aflatoxinas pelas aves;

·         Na fase de crescimento os níveis aceitáveis são de 2 ppb (parte por bilhão);

·         Na fase final os limites são de 5 ppb;

·         Para matrizes e poedeiras 10 ppb são níveis que não acarretam grandes perdas para o rendimento animal.

 

Por outro lado, a legislação da União Europeia nº 178/2010, utiliza a recomendação dos níveis de aflatoxinas B1 de até 20 ppb para rações de suínos e aves, exceto animais jovens. Essa recomendação é a mesma citada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), resolução 183 de 21/03/96. Sendo desses 20 ppb, a soma das aflatoxinas B1 + B2 + G1 + G2. Para a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), foi publicado no diário Oficial da União a resolução nº 7, de 18 de fevereiro de 2011, os limites aceitáveis de aflatoxinas (B1, B2, G1, G2), que são de 20 μg/kg para milho, milho grão (inteiro, amassado, moído, partido), farinhas ou sêmolas de milho.

 

Incidência de aflatoxina nos alimentos

As aflatoxinas são amplamente encontradas em matérias-primas nas fábricas de rações, ou seja, acabam contaminando a ração dos animais posteriormente. São encontradas principalmente nos cereais, como o milho, e possuem forte capacidade de levar a quadros clínicos agudos ou crônicos de aflatoxicose nos animais.

Na produção avícola, as aflatoxinas possuem influência negativa e seus efeitos atingem os parâmetros zootécnicos como:

·         Ganho de peso

·         Ingestão de ração

·         Conversão alimentar

·         Mortalidade

·         Índice de eficiência produtiva

 

É, portanto, necessário realizar aplicações de métodos que auxiliem nesse controle, sejam eles na colheita, armazenagem, recebimento ou utilização na fábrica.

Um desses métodos é a utilização de antifúngicos para o controle das matérias-primas ou do alimento pronto. Os ácidos orgânicos também possuem alta eficácia contra o gênero Aspergillus, responsável pela produção das aflatoxinas B1, B2 e Ocratoxinas. A linha Fungtech tem na sua composição ácidos orgânicos e sais de ácidos na forma livre, que propiciam ação de contato imediato para controle de microrganismos na matéria-prima ou alimento pronto. Dentre os compostos da linha antifúngica, destacam-se também o ácido sórbico e ácido propiônico, os quais possuem alta atividade antifúngica e efeito sinérgico com os demais ingredientes da fórmula, além de proporcionar melhor biosseguridade da ração, mesmo em situação de umidade elevada.

Mesmo diante de todo o esforço para controlar esse inimigo, ainda não foi encontrada uma estratégia totalmente efetiva contra a aflatoxina, exigindo esforços e medidas de controle integradas para minimizar a incidência e efeitos negativos dessa contaminação. Por isso, a prevenção ainda é a medida mais adequada para seu controle.

 

Por Caroline Facchi, engenheira agrônoma, mestre em Sanidade e Produção Animal e doutoranda em Ciência Animal (monogástricos). Pesquisadora na BTA Aditivos.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade