Alltech AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Programa Estadual

Paraná recebe primeiros pesquisadores do Programa de Acolhida a Cientistas Ucranianos

Dois cientistas serão acolhidos pela UEL e um pela UTFPR, em Medianeira. O programa conta até agora com 15 inscrições de pesquisadores que já tiveram seus planos de trabalho aprovado

Redação, com informações AEN
13-Jun-2022 07:50

Até o final de junho, três cientistas ucranianos deverão chegar ao Estado para continuar seus estudos e compartilhar conhecimento com os paranaenses. A iniciativa é do Programa de Acolhida a Cientistas Ucranianos, anunciado em março pelo Governo do Paraná, por meio da Fundação Araucária e Superintendência Geral da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

O foco desta iniciativa é a acolhida e integração dos cientistas na comunidade paranaense. Dois irão para a Universidade Estadual de Londrina e um para a Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em Medianeira.

“O objetivo principal desta iniciativa é humanitário. Nós temos condições de aprender com eles e eles de aprender conosco. Então é uma forma de promover a internacionalização da ciência por meio da parceria de pesquisadores”, ressaltou o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig.

O programa possui até o momento 15 inscrições de pesquisadores que já tiveram seus planos de trabalho aprovados. Ele é de fluxo contínuo e tem como prioridade apoiar financeiramente as Instituições Científicas e Tecnológicas e de Inovação (ICTs) paranaenses na acolhida de pesquisadores ucranianos para atuar na Pós-graduação Stricto Sensu.

Svitlana Gerasimenko é uma das cientistas que chegará ao Brasil até o final de junho e será acolhida pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em Medianeira. Ela é doutora em Astrofísica e mora em Kiev (capital da Ucrânia) com o marido e dois filhos.

“É uma grande oportunidade para mim e para minha família. A situação está muito ruim na Ucrânia. Agradeço muito esta chance de recomeço que o Paraná está nos proporcionando”, disse. 

Além dos pesquisadores que chegarão ao Paraná, existe uma quarta cientista chamada Mariia Boiko, doutora em Biotecnologia, que foi a primeira cientista a ser acolhida por uma instituição, a Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Ela mora há um ano e meio no Brasil com o marido e uma filha e não conseguiu voltar para a Ucrânia devido à guerra. Com isso, também não tinha mais como se manter no País, então resolveu fazer a inscrição no Programa.

“Nenhum lugar na Ucrânia é seguro neste momento. Sou muito grata às instituições brasileiras que me acolheram, pois realmente eu e minha família estamos precisando dessa ajuda”, destacou Mariia.

PROGRAMA – O programa conta com R$ 18 milhões e esta ação tem o apoio de instituições parceiras acadêmicas, governamentais e de diversos outros segmentos (internacionais e nacionais) que possuem o intuito e a missão primordial de localizar cientistas ucranianos para que tenham acesso, conheçam e sintam vontade em aderir ao programa.

Os 15 cientistas inscritos serão distribuídos entre as seguintes universidades: Unila, Unicentro, UEL, UTFPR, UENP, PUC, Unioeste, UEM e IFPR. Eles desenvolvem pesquisas nas áreas da educação, tecnologia da informação e comunicação, saúde, política criminal, energias renováveis, engenharia elétrica, economia dentre outras. A duração dessas bolsas é de 24 meses. 

Desse total de pesquisadores, sete receberão também o auxílio complementar de R$ 1.000,00, pois possuem dependentes abaixo de 18 anos e/ou ascendente acima de 60 anos. O limite deste auxílio é estabelecido em três complementos de R$ 1.000,00 para cada pesquisador selecionado.

Dos 15 pesquisadores, 14 são cientistas que possuem mais de cinco anos de experiência em pesquisa (bolsa categoria Pesquisador Visitante Especial 1), por isso receberão R$ 10mil cada, e um cientista possui menos de cinco anos de experiência e receberá a bolsa R$ 5.550,00 (bolsa categoria Pesquisador Visitante Especial 2).

Um casal de ucranianos (Yuliya Felenchak e Andriy Holod) será acolhido pela Unioeste. Eles possuem mais de cinco anos de experiência em pesquisa e também trarão seus filhos.

UNIVERSIDADES [email protected] – Parte do programa de acolhida, o Universidades [email protected]: Acolhimento Extensionista aos Cientistas Ucranianos também vai financiar propostas com recurso global de até R$ 888 mil para ajudar na transição. O principal objetivo desta ação é o de prestar acolhimento social em forma de apoio nas atividades cotidianas dos pesquisadores ucranianos e suas famílias, integrando-os socialmente a partir da vivência acadêmica e social.

Serão disponibilizadas uma Bolsa Orientador Extensionista por Instituição Científica e Tecnológica e de Inovação (ICT), no valor de R$ 1.375,00 mensais. O período de execução da bolsa será de até 12 meses, com possibilidade de prorrogação por mais 12 meses, se a justificativa for aprovada pela Fundação Araucária. Também serão oferecidas Bolsas Técnico-Extensionistas, no valor de R$ 1.310,00. O período de execução das bolsas será de até seis meses.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade