Alltech
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Internacional

Peru: Empregos associados às exportações cresceram 6,6% entre janeiro e fevereiro

Esse avanço foi resultado do aumento da oferta não tradicional

Redação com informações de Andina
22-Abr-2021 11:52 - Atualizado em 23/04/2021 10:43

Os empregos associados ao setor exportador situaram-se em 518.150 postos (diretos, indiretos e induzidos), no primeiro bimestre do ano, o que refletiu um acréscimo de 6,6% face ao registado no mesmo período de 2020 (486 mil 149) , informou hoje a Associação dos Exportadores (Adex).

Ele explicou que esse avanço foi resultado de um impulso da oferta não tradicional, que veio para contrabalançar a queda dos produtos primários, informou o Global Business and Economy Research Center do sindicato empresarial. 

Ele destacou que números positivos foram observados nas áreas de agricultura e pesca tradicional, agronegócio, pesca de Consumo Humano Direto (CHD), ferro e aço, têxtil, mineração não metálica e química. No entanto, outros, como mineração, hidrocarbonetos, roupas, metalurgia, madeira e 'diversos' permaneceram inativos. 

 

Impacto da crise 

O presidente do sindicato das exportações, Erik Fischer Llanos, indicou que o impacto da crise econômica por conta da pandemia ainda é percebido, sendo fundamental avançar com o processo de vacinação, além de criar um ambiente favorável para investimentos de médio e longo prazo . 

Ele também disse que o trabalho deve ser feito para abrir os mercados, eliminando custos excessivos e burocracia. “São condições necessárias para recuperar os números pré-covid-19”. 

Nesse sentido, destacou o comércio exterior como fonte de emprego formal, desenvolvimento econômico e poder descentralizador, para o qual confiou que os dois candidatos à Presidência da República buscarão consensos para implementar uma agenda comum para impulsionar as exportações peruanas. . 

O estoque de empregos gerados pelo setor primário foi de 157.106 no primeiro bimestre em curso, o que significou um ligeiro aumento de 0,7% e uma representação de 30,3% do total. Os não tradicionais alcançaram 361.043, crescendo 9,3% e concentrando 69,7%. 

O agronegócio foi o item mais intensivo em mão de obra, atingindo um estoque de 253.859 (aumento de 11,7%), graças aos maiores embarques de superalimentos para o mercado externo, pois ter maior valor agregado gera mais empregos em toda a cadeia produtiva. 

A mineração tradicional foi a segunda atividade com maior estoque de empregos (109.605), mas contraiu 9,2% devido aos menores embarques de cobre, ouro, zinco e chumbo, o que a torna o subsetor mais afetado, com perda de 11.084 empregos. 

O terceiro lugar ficou com o vestuário com estoque de 37.253 e queda de 1,6%. Em seguida veio a pesca de Consumo Humano Direto (CHD), que registrou 27.935 empregos e um aumento de 16,8%, associado à maior demanda por lulas e lulas congeladas e enlatadas, filés de peixe, cascas de leque, filés, trutas, entre outros. 

A agricultura tradicional, em quinto lugar, informou um estoque de 26.373 e um aumento de 3% graças aos maiores volumes de café. Seguiram-se as exportações de pescado tradicional (20.291) com um acréscimo de 133,6%, devido ao maior dinamismo da farinha e do óleo de peixe, tanto em volume como em preço.   

O ranking é completado pela indústria siderúrgica com estoque de 8.508 empregos (11,6%), têxteis 7.467 (3,3%), mineração não metálica 7.286 (24,9%), 'diversos' 5.528 (-0,6%), química 5.238 (0,4%), usinagem 4.238 (-23,9%), madeira 3.731 (-9,4%) e hidrocarbonetos 837 (-12,8%).  
Nas regiões 

Adex destacou que um total de 17 regiões do país melhoraram a empregabilidade atrelada às exportações. As regiões de Ica com 119.586 empregos, seguidas de Lima (112.984), Piura (72.215) e La Libertad (39.687), têm forte presença da atividade agroindustrial.  

Em contraste, Huánuco e Huancavelica na zona andina; e Loreto e Madre de Dios na Amazônia foram os que menos geraram empregos nos dois primeiros meses do ano. 

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade