Guia Gessulli
04-Nov-2019 08:14 - Atualizado em 04/11/2019 08:44
Comentário

Por que as crianças não gostam de vegetais?

O problema é a cor, a textura ou o sabor?  Por que os vegetais são tão universalmente desprezados pelas crianças?

coluna, fotos atualizadas ,
Coluna

O gosto pelo doce e a aversão ao amargo refletem a biologia básica das crianças. As crianças nascem preferindo os gostos doces, que as atraem para o leite materno. Em contraste com o sabor doce, elas  não gostam e rejeitam o sabor amargo, que as protegem da ingestão de venenos.

A preferência inata por doces e a rejeição ao  sabor amargo em seres humanos são consequências da seleção evolutiva, favorecendo o consumo de leite materno e a prevenção de plantas venenosas e amargas. 

Muitas pessoas não gostam de comer vegetais - e o sentimento é mútuo. As plantas se protegem contra serem comidas secretando pesticidas naturais e outras toxinas. 

99,99% dos pesticidas que ingerimos são produzidos pelas plantas. Um pesticida é qualquer produto químico, natural ou produzido pelo homem, projetado para matar outro organismo. O repolho produz pelo menos 49 pesticidas conhecidos. (Ames BN, Profet M, Gold LS. Dietary pesticides (99.99% all natural). Proc Natl Acad Sci U S A. 1990 Oct;87(19):7777-81. doi: 10.1073/pnas.87.19.7777. PMID: 2217210; PMCID: PMC54831.)

Fenóis, flavonoides, isoflavonas, terpenos e glucosinolatos são quase sempre amargos, ácidos ou adstringentes. Além de sua atividade bactericida ou biológica, essas substâncias podem oferecer defesa contra predadores, tornando a planta desagradável. 

Sensibilizados ao sabor amargo dos alcaloides das plantas e outros venenos, os seres humanos rejeitam alimentos que são percebidos como excessivamente amargos. Essa rejeição instintiva do sabor amargo pode ser imutável, porque é  crucial para a sobrevivência. 

A amargura anormal tende a ser equiparada ao perigo da dieta, e com razão. Gorduras rançosas, alcaloides derivados de plantas e outras toxinas geralmente têm um sabor amargo desagradável.

A crescente preferência das crianças por doces e aversão ao amargo, embora muitas vezes prejudicial no ambiente alimentar moderno, reflete sua biologia básica.

O senso de paladar, dos quais doce e amargo são apenas duas das cinco modalidades (que também incluem azedo, salgado e umami), pode ser uma fonte de prazer ou dor e serve como porteiro para garantir que os animais façam corretamente uma das decisões mais importantes que enfrentam: aceitar ou rejeitar um alimento ou líquido. 

Várias linhas de evidência indicam que o gosto pelo sabor doce é inato.  Antes do nascimento, a capacidade de detectar gostos doces já está funcionando e interagindo com os sistemas que controlam o afeto e a amamentação; assim, os bebês nascem capazes de detectar e preferir a qualidade do sabor predominante do alimento de que precisam para sobreviver: o leite da mãe.

A espécie humana evoluiu cercada por plantas venenosas (99% de todas as plantas são completamente não comestíveis e quase 100% dos animais são comestíveis), e o vício do seu filho por doces pode ser um instinto de sobrevivência - afinal, poucos venenos têm gosto de sorvete.  

Por outro lado, os venenos têm sabores amargos e azedos - assim como os vegetais. Para piorar a situação, as crianças têm mais papilas gustativas e um melhor olfato do que os adultos.

Os vegetais geralmente estão em desvantagem em comparação com outros alimentos.  Primeiro de tudo, eles são relativamente baixos em calorias e, portanto, têm menos efeitos fisiológicos perceptíveis, como a saciedade.  Em seguida, a maioria dos vegetais não é muito doce e alguns também apresentam compostos com um sabor ligeiramente amargo ou sulfuroso (espinafre, erva-doce, couve-flor, couve de bruxelas, etc.).  

As crianças precisam de muita energia, muito mais do que os adultos.  Como tal, elas instintivamente se voltam para os alimentos que podem fornecer muita energia, como os alimentos de origem animal. 

Ao contrário das carnes, ovos, vísceras, leite, os vegetais não são muito densos em calorias, o que significa que eles não fornecem muita energia. De fato, alguns vegetais contêm tanta fibra indigestível e tão poucas calorias, que podem usar tanta energia para digerir quanto contêm.

Biologicamente, não faz sentido para as crianças (com suas enormes necessidades de energia) comer alimentos que não lhes fornecem energia. 

Pergunte sobre o motivo pelo qual pessoas (crianças e adultos) não comem vegetais, e a resposta que você provavelmente obterá é que os vegetais são amargos e as deixam com fome.  

As toxinas das plantas têm um sabor amargo para nos desencorajar de comê-las - as crianças provavelmente desenvolveram uma repugnância mais forte aos gostos amargos para ajudá-las a identificar quais plantas são perigosas.  

Os seres humanos evoluíram para rejeitar alimentos com sabor amargo nos tempos pré-históricos, sendo que antepassados que comiam alimentos amargos ou com sabor azedo eram mais propensos a morrerem ou a ficarem doentes. 

É também por essa razão que os fabricantes de alimentos estão constantemente desenvolvendo maneiras de reduzir ou remover esses componentes de sabor amargo dos alimentos - o objetivo principal é a aceitação do consumidor.

No entanto, quando nossos ancestrais comiam alimentos com sabor doce (especialmente frutas), nada lhes acontecia.  Pode-se dizer que isso é muito parecido com um mecanismo de sobrevivência. Portanto, os seres humanos tornaram-se "sintonizados" para aceitar prontamente alimentos com sabor doce.

Mas então, por que gastamos tanto tempo tentando fazer nossos filhos comerem os vegetais? 

Verdes não são um “must have”. Os nutrientes encontrados nos vegetais verdes podem ser facilmente encontrados em outros lugares.

As crianças operam no instinto muito mais  que os adultos (em vez de basearem suas decisões em outras influências cognitivas, como nós).  Faz sentido que as crianças estejam mais sintonizadas com seus instintos naturais nesse caso, pois seus corpos pequenos e sua capacidade de desintoxicação menos desenvolvida as tornam mais suscetíveis à sobrecarga tóxica.

Ou seja, através da evolução de nossa espécie, aprendemos que é de vital importância não consumir algo que é potencialmente perigoso (amargo) e a ingestão de alimentos amargos desencadeia respostas protetoras naturais, há muito arraigadas em nosso DNA.

Se você pegar uma folha, colocar na boca e mastigá-la, será sempre amargo. Isso é porque temos um sistema que diz que pode ser perigoso.

O sistema é incrivelmente robusto, pois identifica dezenas de milhares de compostos, e tudo o que está sugerindo é que o produto amargo pode conter algo que causa danos. Isso obviamente não acontece quando ingerimos alimentos de origem animal. 

Para a sobrevivência de nossa espécie, o sabor (especialmente a amargura e a acidez) tem sido crítico.  Sim, somos espertos.

A sensibilidade a compostos amargos é um pouco maior quando somos jovens. Dentro desse espectro, há também uma enorme variação entre as pessoas.

Se você ainda odeia ou não consegue engolir brócolis quando adulto, e você já foi sincero com Deus, tentou várias vezes, pode ser seja um “super-provador”, com maior sensibilidade gustativa e portanto, com maior percepção a sabores fortes.

Se alguém está experimentando altos níveis de amargura, digamos, com brócolis, fazer coisas como a exposição repetida a esse alimento não necessariamente ensina a gostar desse alimento.

Agora temos supermercados com alimentos desenvolvidos ao nosso gosto, por isso não precisamos dessas respostas primárias, mas elas estão enraizadas em nosso DNA.

Centenas de milhares de anos atrás, nossos ancestrais pré-históricos que comiam coisas azedas ou amargas eram mais propensos a perecer.  Gostar de gostos doces era um mecanismo de sobrevivência que nos foi passado. Milhares de anos atrás a obesidade não era um problema. Agora, nossa preferência inata por doces pode contribuir para um ganho de peso desnecessário e sérios problemas de saúde.

Na natureza, quando um animal é exposto a uma nova fonte potencial de alimento, ele testa sua segurança experimentando  um pouco, permitindo que seu corpo o processe e digira completamente. Se não houver efeitos negativos, ele repetirá o processo.  Depois disso, ele fica confiante de que esse alimento é seguro e bom para ele e o implementará.  

Os seres humanos tendem a operar de maneira semelhante. Muitas vezes nos sensibilizamos com o  gosto desagradável quando há repetidas exposições e é por isso que adolescentes e adultos podem tolerar melhor o sabor desagradável de muitos vegetais.

Um erro que alguns pais cometem é dizerem aos filhos que darão uma recompensa se a criança comer vegetais.  Esta não é uma maneira saudável e, em vez disso, a criança aprenderá maneiras de manipular seus pais. Por exemplo, ela aprenderá que, para comer sua comida favorita, tudo o que precisa fazer é se recusar a comer uma comida específica.  

Fazer isso não apenas prepara a criança para hábitos alimentares pouco saudáveis, mas também a predispõe a problemas de saúde mais tarde na vida.

Os alimentos de origem animal são muito mais biodisponíveis, ou seja, mais fáceis para o corpo quebrar e absorver seus nutrientes, e se pudéssemos fazer o melhor multivitamínico para um ser humano, seria um animal.

Portanto, não pressione seu filho a comer a verdura nem transforme sua mesa em um campo de batalha. Não permita que vegetais ou qualquer alimentação "saudável" se torne um embate.  Em vez de ficar frustrado, reconheça que existem boas razões para o seu filho relutar em aceitar novos alimentos.

Não convide crianças para uma guerra pelo poder. Quando se trata de comer, comporte-se como se você não tivesse poder. Abandone completamente a autoridade de pai para filho que você usa em outras áreas da vida. Simplesmente dê a seu filho a comida e aja como se você não se importasse se ele a come ou não. Sem ordens, denúncias, ameaças, punições ou subornos.

As crianças querem atenção, até má atenção, e a comida é o local perfeito para obtê-la. Assim que você abandonar a luta pelo poder, elas estarão mais dispostas a seguir uma dieta saudável, de acordo com suas preferências alimentares - porque não terão nada a ganhar ao recusá-la.

Compreender a vulnerabilidade única das crianças ao sistema alimentar moderno é um primeiro passo crítico, que prepara o terreno para o desenvolvimento de estratégias informadas e baseadas em evidências para abordar o que se tornou um problema de grande importância para a saúde pública, uma vez que muitas doenças crônicas que atormentam a sociedade moderna derivam em grande parte de uma má escolha de alimentos, ditada por nossas preferências de sabor e pelos tipos de alimentos disponíveis e considerados adequados para crianças.

A nutrição infantil é fundamental para garantir o desenvolvimento adequado, maximizar as capacidades de aprendizado e prevenir doenças. Em nenhum outro momento da vida a nutrição é tão importante. Mas quais são os melhores alimentos?

Minha sugestão é que os primeiros alimentos sólidos de um bebê devem ser principalmente alimentos de origem animal, já que seu sistema digestivo, embora imaturo, está melhor equipado para fornecer enzimas para digestão de gorduras e proteínas, em vez de carboidratos.

A carne também é uma excelente fonte de ferro. O ferro heme (a forma de ferro encontrada na carne) é melhor absorvido do que o ferro de fontes vegetais (não-heme). 

Além disso, a proteína na carne ajuda o bebê a absorver mais facilmente o ferro de outros alimentos. É difícil converter as fontes vegetais de ferro em uma forma utilizável, especialmente no trato digestivo imaturo do bebê.

A carne é um dos únicos alimentos ricos em três nutrientes essenciais que  os bebês podem ser deficientes: ferro, zinco e vitamina B12. 

Povos tradicionais sempre deram carne - geralmente fígado - como o primeiro alimento de desmame. Além disso, a incidência de reações alérgicas à carne é mínima.

A maioria das carnes de órgãos é rica em vitamina A verdadeira, o que é extremamente importante para o desenvolvimento do bebê. O fígado também contém vitamina A, D, todas as vitaminas do complexo B, folato, zinco e CoQ10. O fígado de galinha também possui uma boa quantidade de ferro.

Outra boa opção é a gema do ovo, já que é a mais fácil de digerir e contém a maioria dos nutrientes, como a colina (ótima para o cérebro e os olhos do bebê) e o colesterol necessário - a base para todos os hormônios. As gemas de ovos também contêm minerais importantes que o bebê precisa no momento, como cálcio, zinco, selênio, fósforo e vitaminas E e B6.

Os médicos pediátricos sabem há algum tempo que as crianças alimentadas com dietas com baixo teor de gordura e baixo colesterol não conseguem crescer adequadamente. Afinal, a maioria do leite da mãe é gorda, grande parte dele saturada. As crianças precisam de altos níveis de gordura durante o crescimento e desenvolvimento. O leite e as gorduras animais fornecem energia e também ajudam as crianças a construir músculos e ossos. Além disso, as gorduras animais fornecem as vitaminas A e D necessárias para a assimilação de proteínas e minerais, crescimento normal e produção de hormônios. 

Embora seu filho, sem dúvida, tenha nascido com uma aversão pelos vegetais, é possível orientá-lo para melhores escolhas alimentares, como alimentos de origem animal, que mesmo isoladamente são capazes de satisfazer todas as suas necessidades nutricionais.

Redação AI/SI

Jade Soller

Jade Soller é proponente e adepta do carnivorismo como estilo alimentar e do estoicismo como modo de vida

 

Deixe seu Recado