Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Insumos

Preço dos grãos afeta avicultura no Paraná e produtores se mobilizam por ajuda

Soja quase dobrou de preço, e o milho subiu 115%.

Redação com informações de G1
24-Mai-2021 08:50

Criadores de frango do Paraná se mobilizam para pedir ao Ministério da Agricultura medidas que reduzam os impactos causados pela alta do preços dos grãos, que está afetando a avicultura.

Soja e milho, usados na ração dos animais, representam cerca de 70% dos custos de produção de aves.
De acordo com o Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Paraná (Sindiavipar), no último ano o preço da soja quase dobrou, chegando a 98% de alta. No caso do milho, o aumento foi ainda mais acentuado, de 115%.

No mesmo período, o preço do frango subiu 14,4%, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo IBGE.

Para o vice-presidente do Sindiavipar, José Antônio Ribas Junior, o aumento pode comprometer a avicultura paranaense, que é líder em produção e exportação no Brasil.

“Isso significa que o setor está tendo que arcar com uma despesa adicional que não é possível ser suportada. Podemos, sim, ter fechamento de empresas, suspensão de produção e redução de abates. Nós não estamos pedindo ao governo nada que não seja exequível.”

Parte das reivindicações do setor:

  • Autorização excepcional da importação de milho transgênico dos Estados Unidos, exclusivamente para a produção de ração animal;
  • Suspensão temporária do PIS e da COFINS sobre a importação de grãos;
  • A suspensão dos mesmos impostos sobre o frete nos transporte de grãos entre os estados;
  • Criação de programas de incentivo ao plantio de milho no verão e criação de novas linhas de crédito para produtores de grãos que destinam os produtos para o mercado interno.

Segundo José Antônio Ribas Junior, atualmente, por conta da isenção de impostos para exportação e do câmbio favorável, a soja e o milho brasileiros saem mais baratos para um estrangeiro do que para quem vai processar os grãos no mercado interno.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade