Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Produção sustentável

Produção agrícola sustentável cresce no Brasil nos últimos dois anos

Entre as tecnologias adotadas pelos produtores estão os remineralizadores de solo. Minas Gerais e Goiás são os estados com maior número de produtos registrados

Redação
16-Abr-2021 08:15

A busca por tecnologias e práticas sustentáveis na agricultura cresceu de forma significativa no Brasil nos últimos dois anos. Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontam que, de julho a dezembro de 2020, a área agrícola financiada pelo Programa ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) superou 750 mil hectares, equivalente a cinco vezes a área da cidade de São Paulo. Na comparação com o mesmo período do ano-safra anterior, houve um crescimento de 47%.

O levantamento do Mapa mostra ainda que a recuperação de pastagens degradadas, que soma 372,5 mil hectares, é a tecnologia mais buscada pelos produtores rurais para financiamento pelo programa. Em seguida estão o plantio direto, integração lavoura-pecuária-floresta e sistemas agroflorestais.

Dentro deste cenário sustentável, outro crescimento observado foi o aumento na área da produção de agromineirais silicáticos no país. Esses agrominerais são essenciais para o desenvolvimento de produtos destinados ao manejo sustentável da fertilidade do solo e nutrição de plantas, como os remineralizadores de solo. Um estudo recente da Embrapa mostra que, em 2019, foram produzidos mais de 600 mil toneladas de remineralizadores e condicionadores de solo no país.

Marco regulatório

Esses produtos são usados na rochagem, técnica antiga na agricultura brasileira, mas que tem ganhado destaque nos últimos anos. A atividade de remineralizadores de solos só foi regulamentada pelo Mapa em 2016. Foram regulamentados a produção, o registro e o comércio do remineralizadores, para que haja a garantia do padrão de qualidade e a segurança quando comercializados.

Segundo a Embrapa, Minas Gerais e Goiás são os dois estados brasileiros com o maior número de produtos registrados no Mapa. Seguem ainda na lista Paraná, São Paulo e Bahia. Ao todo, no Brasil há 23 produtos regulamentados e apenas 12 estabelecimentos autorizados a produzir e vender. Para o Brasil, que é uma das maiores economias do mundo, os remineralizadores representam uma imensa oportunidade de crescimento em diversas áreas.

Diferenças entre fertilizantes e remineralizadores de solo

Como alguns pós de rocha colaboram, de forma significativa, para o aumento da produtividade na lavoura, parte dos produtores tem dúvidas se esses produtos são semelhantes aos fertilizantes. A principal diferença dos fertilizantes químicos para os remineralizadores é a solubilidade. Os adubos químicos são sais solúveis e adubam a planta por tempo limitado, somente enquanto disponível no solo.

O mestre em agronomia, Saulo Brockes, explica que esses sais quando lixiviados causam contaminação dos efluentes e a intoxicação da água que gera impacto ambiental. “A consequência do uso irracional dos adubos químicos e solúveis é a salinização do solo”, diz o agrônomo.

Já os remineralizadores e pós de rochas são o contrário dos fertilizantes químicos, pois são insolúveis, não salinizam e nem degradam o solo e meio ambiente. “Os remineralizadores e pós de rochas vão disponibilizando a nutrição para as plantas de acordo com a demanda da cultura plantada”, diz.

Remineralizadores derivados do Fino de Micaxisto (FMX), por exemplo, pode disponibilizar a nutrição para as plantas por até um ano, além de regenerar o solo, voltar o equilíbrio pro meio ambiente e condicionar o solo a melhorar a eficiência nutricional.

Para o produtor rural de Minas Gerais, Breno Nunes, não tem como separar qualidade da sustentabilidade nos dias de hoje. “Na minha produção eu utilizo o Fino de Micaxisto que possibilita uma maior disponibilidade dos minerais e o aumento da retenção de água no solo e proteção das plantas contra de ataque de pragas e doenças, pelo Silício do material”, diz.

Breno avalia que é possível alinhar retorno econômico e sustentabilidade. “O retorno financeiro e produtivo é visível. A partir do momento que construímos a fertilidade do solo, pois o uso de remineralizadores auxilia na construção de perfil do solo, fazemos com que os nutrientes estejam disponíveis durante toda a produção”, explica.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade