Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Produção agroindustrial dispara, aponta FGV Agro

Indicador calculado pelo centro subiu 16,7% em abril ante o mesmo mês do ano passado

Redação com informações de Valor
17-Jun-2021 08:54

Depois de reagir em março, o Índice de Produção Agroindustrial Brasileira (PIMAgro) calculado pelo Centro de Estudos em Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV Agro) disparou em abril - e a tendência é de novos avanços interanuais expressivos nos próximos meses, uma vez que as bases de comparação continuarão sendo baixas em virtude dos reflexos negativos do começo da pandemia em 2020.

Segundo o FGV Agro, o indicador subiu 16,7% em abril, puxado pelo bom desempenho do grupo de produtos não-alimentícios, que avançou 37,1% No segmento de produtos alimentícios e bebidas houve crescimento modesto, de 1,6%. O PIMAgro é baseado em dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) do IBGE e nas variações do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR), da taxa de câmbio e do Índice de confiança do Empresário da Indústria de Transformação (ICI) da FGV.

Entre os não-alimentícios, o destaque foram as recuperações registradas nas áreas de borracha (aumento de 132,5% em relação a abril de 2020) e têxteis (117,4%). Também houve variações positivas nos ramos de fumo (38,5%) e insumos (29%), mas no caso dos biocombustíveis foi mais um mês de queda (20,3%). No grupo de produtos alimentícios e bebidas, os primeiros tiveram retração de 9,1%, puxada pelos produtos de origem vegetal, e a produção de bebidas aumentou 88,2%.

“Os segmentos e setores que foram impactados fortemente pela pandemia em abril de 2020 são aqueles que, de modo geral, apresentaram crescimento expressivo no mesmo mês de 2021, como é o caso de produtos não-alimentícios e bebidas. Alternativamente, aqueles que foram menos atingidos no início da pandemia são os que agora registram contração, como é o caso de produtos alimentícios”, informou o FGV Agro.

Com as oscilações de abril, no primeiro quadrimestre o PIMAgro acumulou alta de 7,2%, garantida pela área de produtos não-alimentícios, que teve incremento de 17,2%. Alimentos e bebidas ainda apresentaram contração de 1,4% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade