Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Santa Catarina

Produção de milho em SC pode crescer 2,5 milhões de t sem ampliar área plantada

Com o incremento, seria possível atender mais de 70% da demanda do Estado pelo cereal, diz a Epagri em nota.

Redação com informações de Broadcast
06-Out-2021 14:34 - Atualizado em 06/10/2021 14:53

A produção anual de milho em Santa Catarina pode aumentar em 2,5 milhões de toneladas caso as lavouras do Estado atinjam 75% do potencial de produtividade, aponta o Projeto GYGAs SC, desenvolvido pela Epagri e a equipe FieldCrops, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Com o incremento, seria possível atender mais de 70% da demanda do Estado pelo cereal, diz a Epagri em nota.

A pesquisa foi desenvolvida em 176 propriedades de 42 municípios catarinenses, dentro de uma iniciativa liderada pela Universidade de Nebraska (EUA) e Universidade de Wageningen, na Holanda, que se baseia no conhecimento da ecofisiologia das culturas e dos sistemas de produção.

Considerando as lavouras das regiões oeste, meio oeste e planalto norte de Santa Catarina, que representam aproximadamente 50% da área de produção de grão do Estado, há uma diferença de 6,9 toneladas/hectare entre o potencial de produtividade e o rendimento médio das lavouras, segundo o levantamento.

A pesquisa revela que a data da semeadura para altas produtividades ocorre próximo ao dia 19 de setembro, enquanto lavouras com produtividades baixas, ou seja, inferiores a 4 t/ha, semeiam, de modo geral, 12 dias após as lavouras mais produtivas, com rendimento superior a 9,5 t/ha.

O estudo identificou ainda outros fatores que interferem nos ganhos de produtividade, como a densidade do plantio, correção adequada do solo, maior adubação com nitrogênio, rotação da cultura com soja ou feijão e maior número de pulverizações de inseticidas e fungicidas.

O pesquisador do Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar (Epagri/Cepaf) e coordenador do projeto na Epagri, Leandro Ribeiro, disse que os resultados são parciais e que a pesquisa será continuada na safra 2021/22 de milho.

Santa Catarina é responsável por 50% da exportação nacional de carne suína e por 30% da carne de frango vendida ao Exterior, lembra a Epagri. A demanda por milho no Estado é de 7 milhões de toneladas por ano, enquanto que a produção média anual é 2,8 milhões de toneladas.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade