Basf AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Alimentação Animal

Produção de rações irá crescer 4,5%, mas segue pressionada por custos elevados

A elevação nos preços de milho e soja, assim como de vitaminas e outros aditivos nutricionais importados, impulsionada em partes pela desvalorização do Real frente ao Dólar, impactou o custo com alimentação animal neste ano

Redação AI/SI
17-Dez-2021 08:59 - Atualizado em 17/12/2021 09:31

O primeiro semestre do setor de alimentação animal apresentou um ritmo mais forte de crescimento, com uma diminuição ao longo de toda a segunda metade do ano.

Com isso, os volumes produzidos de rações em 2021 devem ficar em um patamar próximo dos 4,5% em relação ao ano passado, segundo as estimativas do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações).

“As cadeias produtivas de proteína animal enfrentaram custos altos ao longo do ano, e a redução de renda, juros altos e inflação gerou dificuldades para o consumidor; e, do lado da indústria, houve um momento em que ela teve de repassar para o preço do produto os custos que vinham se elevando; não havia como segurar mais”, comenta Ariovaldo Zani, CEO do Sindirações, e também presidente do Colégio Brasileiro de Nutrição Animal (CBNA).

O cenário, porém, foi favorecido pelas exportações de proteína brasileira, que seguiram em ritmo forte neste ano. O Dólar supervalorizado em relação ao Real, tornou os produtos do país ainda mais competitivos no comércio internacional. Por outro lado, encareceu a importação de insumos importantes.

A indústria de alimentação animal, por exemplo, viu itens como vitaminas e aminoácidos dispararem de preço, já que boa parte vem do mercado externo. Além disso, a atual escassez de contêineres elevou o frete destas importações, ampliando o tempo de espera.

Um container da China com vitamina para uso na fabricação de ração, que antes saía a um preço médio de US$ 2.000, passou a custar algo perto de US$ 12.000.

“O valor aumentou seis vezes e, isso, entrando em uma fila para conseguir o container para o transporte deste aditivo da China para o Brasil”, comenta Zani. Essa situação refletiu diretamente nos custos da indústria de alimentação animal, que também tem enfrentado a alta dos grãos.

Confirma a matéria completa no Anuário 2022 da revista Suinocultura Industrial

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade