Roleste
14-Mai-2019 08:20
FAO

PSA na China interfere no mercado de carne e de grãos

Embora os impactos exatos ainda devam ser determinados, a doença poderia causar um declínio de quase 20% nos estoques de suínos da China.

A chegada e a rápida disseminação da Pesta Suína Africana (PSA) na China, que abriga metade do rebanho mundial de suínos, terá um efeito perceptível nos mercados mundiais, tanto para carne quanto para ração animal.

Embora os impactos exatos ainda devam ser determinados, a doença poderia causar um declínio de quase 20% nos estoques de suínos da China, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). A contração aguda é apoiada por evidências indiretas, sugerindo uma grande contração local na indústria de processamento de carne suína, bem como na produção e venda de ração para suínos.

De acordo com a FAO, o impacto global provavelmente será complexo. Por um lado, prevê-se que as importações de carne suína aumentem em até 26%. As importações de outras carnes, incluindo bovinos e carnes de aves, também devem aumentar. Por outro lado, menos porcos na China devem se traduzir em menor demanda por grãos e sementes oleaginosas, em particular soja. A China importa cerca de dois terços de todos os grãos de soja comercializados internacionalmente, e cerca de metade destes são destinados a seus rebanhos domésticos de suínos. As importações já estavam diminuindo devido às tensões comerciais com os Estados Unidos da América; eles são ainda reforçados pela decisão do país de reduzir as exigências de proteína para ração dos suínos.

Ao mesmo tempo, é pouco provável que o consumo de carne na China cresça tão rápido como no passado, com os níveis de consumo de carne, peixe e ovos de criação já tendo atingido 95 quilos per capita por ano. Além disso, revisões feitas após o último censo agropecuário da China indicam que o país tem mais de 180 milhões de toneladas de milho armazenado, o que aumenta o fornecimento de grãos e também parece estar diminuindo a demanda de importação de cevada e sorgo.

Embora muito dependa dos esforços para conter o PSA , que também foi recentemente relatado no Vietnã, um importante produtor de carne suína, e outros países vizinhos , as tendências apontam para prováveis ??aumentos no preço da carne de porco e menor preço dos alimentos. Para a FAO, essa "rara combinação de eventos" beneficiará o setor agrícola na Europa, que se beneficiará dos preços mais baixos dos alimentos, bem como dos produtores de carne suína nos EUA, onde as capacidades de exportação estão prontas para aumentar a oferta rapidamente.

Ao mesmo tempo, a crise da PSA é um benefício para aqueles que criam frangos, particularmente os principais países exportadores, como o Brasil. É importante ressaltar que a produção de aves na China deverá crescer 7% este ano, refletindo os impactos da PSA e também a contenção bem-sucedida de outra doença animal de rápida disseminação, Influenza Aviária Altamente Patogênica .

Redação AI/SI
Deixe seu Recado