Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Argentina

Rede de frango e ovo, líder em proteínas animais para a mesa argentina, pede ao governo que consolide crescimento

Os representantes da rede destacaram a necessidade de previsibilidade para garantir o abastecimento permanente e abundante do mercado interno

Redação com informações de TN Campo
05-Jul-2021 16:58 - Atualizado em 05/07/2021 17:09

Os produtores de frangos e ovos destacaram sua contribuição nutricional à mesa dos argentinos, em meio à discussão sobre o acesso da população às proteínas animais, que o governo disparou ao estabelecer uma armadilha para as exportações de carne bovina para controlar a inflação. Segundo dados da Câmara Argentina de Produções Avícolas (Capia), o consumo per capita anual de frango na Argentina é de 48,5 quilos e o de ovos de 19,5 quilos (equivalente a 306 ovos). Junto com os 45 quilos de gado bovino e os 16 de produtos suínos (também no consumo anual por habitante) posicionam nosso país no pódio mundial no consumo de proteínas animais.

Nesse contexto, pediram para consolidar o crescimento do setor e "tecnificar a rede" após as dificuldades pelas quais passaram com a chegada do coronavírus. A preocupação foi levantada pelo Centro de Empresas de Processamento de Aves (CEPA) e Capia, em um encontro no qual celebraram a Jornada da Avicultura e que contou com a presença dos Ministros da Agricultura, Luis Basterra, e do Desenvolvimento Produtivo, Matías Kulfas.

Roberto Domenech, presidente do CEPA, destacou a necessidade de gerar investimentos e "linhas de financiamento adequadas" para melhorar a competitividade. E pediu o desenvolvimento de políticas produtivas junto ao Estado, que "continuem garantindo a disponibilidade do produto na mesa e que estimulem as exportações, o trabalho e a agregação de valor no país".

Além disso, embora considere que os investimentos e a incorporação de tecnologia "vão bem" no que diz respeito à incubação, ao setor de refrigeração e aos equipamentos das fábricas de alimentos, reconheceu que o mesmo não ocorre nas fazendas onde há um "atraso".

Segundo Domenech, os investimentos nos próximos anos devem se concentrar na “reconversão das fazendas produtoras em túneis e na construção de galpões de última geração, para melhorar os resultados da produção e alcançar menores custos e melhores valores para o mercado interno .

No que se refere ao mercado externo, o representante das empresas processadoras disse que "o caminho para crescer em carne é exportar", e considerou que é o caminho para "consolidar um fortalecimento constante que torne o sector previsível e garanta um abastecimento permanente e abundante para mercado interno ”.

Enquanto isso, ele acrescentou que seria "muito benéfico" se o ovo fosse incluído nos planos de alimentação e nas cantinas das escolas.

Enquanto isso, segundo Capia, o setor avícola emprega hoje 100 mil pessoas direta e indiretamente e mobiliza mais 20 subsetores industriais para completar a produção, além de ser o nono país do mundo como produtor e exportador de carne de frango.

Elogios de Basterra e Kulfas

Os ministros partilharam a visão sobre o potencial do sector e a necessidade de “aprofundar” o seu crescimento com uma “articulação adequada” entre o mercado interno e as exportações da cadeia. Basterra destacou: "A Argentina precisa de divisas e isso sem dúvida está relacionado ao agronegócio, como um dos principais contribuintes para esse modelo."

“A Argentina tem potencial para exportar sem descuidar do mercado interno”, acrescentou Kulfas, e anunciou que “nas próximas semanas será lançada uma linha de financiamento de US $ 2 bilhões com o objetivo de promover investimentos para o maior desenvolvimento da cadeia avícola”.

Nesse sentido, o chefe de Desenvolvimento Produtivo considerou que o setor passou de uma produção de 300 mil toneladas em 1980 para o patamar atual de 2,4 milhões de toneladas por ano, além de um crescimento significativo nas vendas para o exterior.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade