Guia Gessulli
16-Ago-2019 10:17
Sanidade

Reino Unido e China investem em IA para combater resistência a antimicrobianos

A iniciativa usará aprendizado de máquina para encontrar formas de rastrear e prevenir doenças em granjas, reduzindo a necessidade de tratamento com antibióticos em frangos

Cientistas do Reino Unido e da China anunciaram planos de usar inteligência artificial em fazendas de frangos para combater o problema da resistência a antibióticos tanto em animais quanto em humanos.

A nova iniciativa usará aprendizado de máquina para encontrar formas de rastrear e prevenir doenças em granjas, reduzindo a necessidade de tratamento com antibióticos em frangos e, portanto, reduzindo o risco de transferência de bactérias resistentes a antibióticos para as pessoas.

A pesquisa será conduzida por especialistas em saúde animal da Universidade de Nottingham e Nimrod Veterinary Products no Reino Unido, além de dois parceiros chineses, New Hope Liuhe em Chengdu e o Centro Nacional de Avaliação de Riscos em Segurança Alimentar da China.

"A resistência aos antibióticos é um problema mundial e está ficando cada vez pior. Algumas dessas superbactérias são resistentes a tudo, não sabemos como tratá-las", disse ao jornal China Daily a professora veterinária da Universidade de Nottingham, Tania Dottorini. "Nas fazendas, as superbactérias não estão confinadas aos animais, elas se espalham para os seres humanos e para o meio ambiente, é uma expansão exponencial. Se não entendermos como parar isso, vai ser muito ruim."

O novo projeto faz parte do Farmwatch, uma iniciativa agrícola entre o Reino Unido e a China apoiada por 1,5 milhão de libras (1,8 milhão de dólares) em financiamento conjunto da agência britânica Innovate UK e do Ministério de Ciência e Tecnologia da China.

Cerca de 700.000 mortes por ano provêm da resistência aos antibióticos, segundo um relatório encomendado pelo governo do Reino Unido. Se não for controlada, a resistência às drogas pode levar a 10 milhões de mortes por ano até 2050, o que é mais do que o número de pessoas que morrem de câncer anualmente.

Um estudo da Universidade de Calgary, no Canadá, descobriu que restringir o uso de antibióticos em animais de fazenda saudáveis ??pode reduzir a prevalência de resistência a antibióticos em até 39%.

Os pesquisadores de Nottingham e da China levarão milhares de amostras de animais, humanos e meio ambiente a nove fazendas de três províncias chinesas durante três anos. Eles também medirão outras variáveis, como umidade e temperatura.

"O que está causando infecção? O que está causando a insurgência da resistência aos antibióticos? Para descobrir, temos que combinar informações de diferentes fontes", disse Dottorini. "Somos como detetives tentando investigar onde estão os problemas, para que possamos reconstruir a cadeia de eventos".

Os cientistas usarão, então, big data e software de inteligência artificial para analisar as informações e buscar padrões e pistas para determinar onde surgem os surtos de doenças e os casos de resistência. Essas informações ajudarão os agricultores a tomar medidas preventivas contra futuros surtos, diminuindo a necessidade de uso de antibióticos.

"Quando você tem um conjunto de dados em grande escala, a mente humana não consegue lidar com isso, é muito complexo", disse Dottorini sobre aprendizado de máquina. "Precisamos de algo que seja capaz de entender o relacionamento através de uma grande quantidade de informações".

Dottorini disse que, se bem-sucedidos, esses métodos devem ser facilmente transferidos para outros estudos agrícolas na China e no exterior.

 

 

Redação AI
Deixe seu Recado