Guia Gessulli
26-Fev-2019 16:41 - Atualizado em 27/02/2019 11:38
Dados

Relatório da OIE mostra progresso positivo na regulação e monitoramento do uso de antimicrobianos

O relatório apresenta as conclusões gerais da terceira coleta de dados anual, fornecendo uma análise global e regional de 2015 a 2017.

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) desenvolveu um sistema voluntário de coleta de dados sobre o uso de agentes antimicrobianos em animais para os quais qualquer país pode contribuir. O relatório apresenta as conclusões gerais da terceira coleta de dados anual, fornecendo uma análise global e regional de 2015 a 2017. Participaram 155 países demonstrando um maior entendimento internacional e priorização desta questão.

“O banco de dados da OIE é uma iniciativa importante para capacitar a vigilância nacional e global sobre o uso de antimicrobianos em animais”, disse Monique Eloit, diretora-geral da OIE. “Independente dos recursos financeiros à sua disposição, o OIE visa apoiar os países a assegurar que os antibióticos e outros medicamentos veterinários importantes sejam usados ??com prudência e responsabilidade. Uma das principais recomendações da OIE é que os países eliminem imediatamente o uso de antimicrobianos críticos para a promoção do crescimento. ”

O relatório mostra que o uso relatado de antimicrobianos para promoção do crescimento diminuiu de 60 para 45 países desde a última rodada de coleta de dados. No entanto, os principais agentes antimicrobianos, classificados pela OMS como "Antimicrobianos Criticamente Importantes de Máxima Prioridade", incluindo a colistina, continuam a ser utilizados rotineiramente em várias regiões para este fim. Esta prática coloca em risco muitos dos medicamentos que tomamos como garantidos hoje, tanto para animais como para humanos.

Quanto a regulamentação,  o documento  também mostra progressos positivos. Hoje são 72 países que não possuem  um quadro regulamentar sobre o uso de promotores de crescimento,  ante 100 no relatório anterior.

Segundo a OIE, este declínio sugere um progresso crítico na implementação de regulamentos sobre o uso de agentes antimicrobianos.  "Muitos países já realizaram ações-chave, como a instalação de sistemas de vigilância e a regulamentação do uso de antimicrobianos na saúde humana e animal, mas ainda temos um longo caminho a percorrer", disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral do mundo. Organização de Saúde. “Trabalhar juntos é a única maneira de evitar os enormes custos humanos, sociais, econômicos e ambientais da resistência antimicrobiana.”

Ainda de acordo com a organização, para muitos países, o processo de estabelecer sistemas de coleta de dados em nível nacional é tão importante quanto os dados em si, e demonstra vontade de estar envolvido.  

A OIE diz ser encorajador que, a cada ano, novos países possam relatar não apenas dados qualitativos, mas também quantitativos, como as quantidades de agentes antimicrobianos usados. No terceiro relatório, houve um aumento de dados quantitativos em 32% desde o início da coleta de dados.

“Os antimicrobianos são importantes para garantir a saúde das pessoas e animais, bem como a subsistência, segurança alimentar e segurança alimentar, mas esses medicamentos precisam ser usados ??com responsabilidade”, disse José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização para Agricultura e Alimentação dos EUA. as Nações Unidas. “Encorajamos os países a se envolverem com todos os interessados ??na promoção do uso prudente e responsável desses importantes medicamentos, inclusive em todos os setores agrícolas.”

Apesar das melhorias observadas, o aumento da capacidade das autoridades competentes dentro dos países para regulamentar o uso de antimicrobianos em animais deve permanecer como um  objetivo para a comunidade internacional. 

"Reconhecemos que houve um progresso significativo para garantir o uso prudente de antimicrobianos em animais nos últimos anos, mas ainda há muito a ser feito", disse Dame Sally Davies, diretora médica da Inglaterra, co-organizadora da ONU. IACG na AMR. “Com um aumento do número de países que reportam dados quantitativos do que nos dois primeiros relatórios, este ano fornece um excelente recurso que insto os tomadores de decisão a usar para identificar onde a ação é necessária e apoiar a resposta global à RAM.”

Caroline Mendes/Redação AI/SI
Deixe seu Recado