11-Ago-2017 15:45
Tecnologia no campo

Santa Catarina é paradigma nacional

Consistentes e continuados investimentos em capacitação profissional são sustentados, nas últimas duas décadas, para a qualificação do produtor rural e sua elevação à condição de empresário rural. Esses investimentos são assegurados pelos órgãos do chamado Sistema S – Senar, Sebrae e Sescoop – com recursos derivados das próprias categorias econômicas.

, Divulgação/Ascom
José Zeferino Pedrozo, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC)Divulgação/Ascom
Esse esforço se refletiu na melhoria da qualidade da gestão dos estabelecimentos rurais, otimização dos recursos naturais, racionalização da produção e melhoria da produtividade. A combinação desses fatores resultou no aumento dos resultados econômicos. Os Sindicatos Rurais e as cooperativas agropecuárias foram importantes articuladores nesse processo de transferência de conhecimento e tecnologia para o campo.

Com mais recursos disponíveis e com a iluminação proporcionada por treinamentos de qualidade – e aqui é necessário realçar o avançado programa de assistência técnica e gerencial (ATeG) criado pelo Senar – o produtor/empresário rural passou a acessar e consumir recursos tecnológicos em vários formatos e plataformas. Essa realidade foi sobejamente mensurada pelo Sebrae na pesquisa “Tecnologia da Informação no Agronegócio”. Ela constatou, por exemplo, que 92,6% dos produtores rurais catarinenses usam aparelhos celulares. A pesquisa também revela que, em Santa Catarina, 53,9% dos produtores já fizeram alguma compra pela Internet ou já usaram a Web para efetuar vendas, sendo que 7,5% possuem home page ou web site. Os agricultores estão presentes também nas redes sociais: 21,1% possuem Facebook, 5,3% Twitter e 4,5% Instagram.

As deficiências da internet são um gargalo no meio rural, mas há um esforço integrado para modernização do universo rural. Preocupada com o acúmulo de obrigações impostas aos produtores rurais, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) elaborou programas de computador para os produtores melhor se informarem sobre as exigências da legislação quanto a índices de produtividade e indicadores ambientais, o que permite declarar de forma mais eficiente aos órgãos federais os dados sobre a propriedade exigidos por lei. Podem, também, preparar-se para enfrentar com mais segurança eventuais fiscalizações do Incra e Ibama. Técnicos da CNA e de Federações da Agricultura também desenvolvem programas de preenchimento da Declaração para Cadastro de Imóveis Rurais e do Ato Declaratório Ambiental.

Outro exemplo é a Secretaria da Agricultura que também investe em programa de informatização do campo, criando comunidades digitais e investindo em ferramentas para levar sinal de Internet e telefonia móvel para municípios com carência em infraestrutura de comunicação básica. Santa Catarina tornou-se um paradigma nacional do crescente emprego de tecnologias no campo.

Ascom
Deixe seu Recado