08-Fev-2018 15:18
Economia

Santa Catarina fatura US$ 10 milhões com carne de frango em janeiro

O número representa uma redução de 11,6% em relação a dezembro

O mês de janeiro teve queda nas exportações de carne de frango. Ao todo, o estado vendeu 69,6 mil toneladas e faturou US$ 120 milhões em janeiro. Uma redução de 11,6% na arrecadação e de 6,4% na quantidade – em relação a dezembro. As informações são da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca de Santa Catarina.

Quando comparado com o mesmo período de 2017, a queda é de 17,6% no faturamento e de 13,9% na quantidade, informaram os dados. O estado respondeu por 22% das exportações brasileiras de carne de frango em janeiro. Os principais mercados para a carne de frango catarinense foram: Japão, Emirados Árabes e Arábia Saudita.

Exportações Brasil

Segundo publicação do portal da Secretaria, como grande exportador de carnes, Santa Catarina interfere no desempenho nacional. Sendo assim, o país também registra uma redução nos embarques de carne suína e de frango em relação ao mesmo período de 2017. Em janeiro o Brasil embarcou 323 mil toneladas de carne de frango – 8,9% a menos – e 53,3 mil toneladas de carne suína – 15,8% a menos. O faturamento também foi menor, uma redução de 13,4% para carne de frango (US$ 512,7 milhões) e de 20,1% para carne suína (US$110,2 milhões).

Exportações catarinenses em 2017

Em 2017, foram 276,5 mil toneladas de carne suína vendidas para mais de 50 países. As receitas geradas com as exportações passaram de US$ 639,2 milhões. Os principais compradores da carne suína catarinense foram Rússia, China, Hong Kong, Chile e Argentina.

Ao longo do ano foram embarcadas 971 mil toneladas de carne de aves, com um faturamento de US$ 1,8 bilhão no último ano. A carne de frango produzida em Santa Catarina chegou a mais de 120 países e os principais compradores foram Japão, China, Países Baixos e Arábia Saudita, informou a publicação.

Os números foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa/Epagri). 

Redação
Deixe seu Recado