Alltech AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
América Latina

SCJN mantém proibição de plantio de milho transgênico no México

O SCJN também negou todas as impugnações apresentadas pela Bayer-Monsanto, Syngenta, PHI e Dow.

Redação com informações de Forbes
14-Out-2021 11:44

A primeira câmara do Supremo Tribunal de Justiça da Nação (SCJN) por unanimidade e sem discussão negou quatro recursos que as empresas transnacionais interpuseram contra a decisão judicial que as impede de plantar milho transgênico no México para fins comerciais.

Além disso, negou todas as impugnações das empresas Bayer-Monsanto, Syngenta, PHI e Dow.

Em sua decisão, o SCJN determinou que os juízes que intervêm em um julgamento de ação coletiva “podem ditar qualquer medida que considerem pertinente para a proteção dos direitos e interesses de uma comunidade”, desde que cumpridos os requisitos da lei.

Por unanimidade, os ministros rejeitaram as proteções das empresas transnacionais nas quais levantaram mais de 130 argumentos que para a comunidade do milho "eram vazios, contraditórios e falaciosos".

Em nota, o grupo Demanda Colectiva Maíz qualificou a decisão de histórica porque ratifica a medida cautelar que tem protegido o milho nativo do país.

Ele lembrou que, desde 2013, a medida cautelar promovida pela Demanda de Ação Coletiva contra o Plantio de Milho Transgênico suspendeu os pedidos de permissão para plantar milho transgênico no México.

Em resposta, disse que as empresas PHI, Dow, Syngenta e a atual Bayer-Monsanto interpuseram dezenas de contestações e preferiram não realizar nenhuma investigação no país para demonstrar a ausência de riscos.

“Essa decisão é transcendental para a preservação do milho e milpa nativos, mas também para o setor apícola e para as próprias abelhas, como parte da biodiversidade, que tem sido severamente afetada pela entrada de transgênicos como soja e milho, também como o uso de agrotóxicos como o glifosato ”, disse o grupo.

Consideraram também que a unanimidade da decisão “reitera a validade dos argumentos apresentados pelo Coletivo Reclamante, a favor dos direitos coletivos das comunidades camponesas e indígenas e dos consumidores de milho”.

Além de estabelecer um precedente para ações judiciais coletivas em andamento e futuras.

“Embora a resolução do SCJN seja para comemorar, é preciso alertar que as decisões judiciais não garantem que na realidade sejam cumpridas”, afirmaram.

Ressaltaram que sem um Estado de Direito que garanta o cumprimento das decisões judiciais, “os danos não podem ser evitados, como foi o caso da Península de Yucatán, onde apesar das proibições do Supremo Tribunal Federal, soja e até milho transgênico são semeados ilegalmente e com impunidade ”.

O grupo saudou a decisão da SCJN, mas informou que o julgamento principal continua.

“Ainda temos um longo caminho a percorrer para alcançar o banimento definitivo do milho transgênico no México, uma ação que garantirá a preservação e proteção do milho nativo, o milpa, os direitos dos camponeses a um meio ambiente saudável e os direitos humanos vinculados” , eles concluíram.

 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade