Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Biocombustível

Sebo bovino é matéria estratégica na cadeia produtiva do biodiesel

O sebo bovino hoje é visto como uma matéria estratégica na cadeia produtiva do biodiesel, com a participação atual de cerca de 13% da produção global deste biocombustível no Brasil. 

Redação
07-Fev-2020 14:24 - Atualizado em 10/02/2020 08:33

O sebo bovino hoje é visto como uma matéria estratégica na cadeia produtiva do biodiesel, com a participação atual de cerca de 13% da produção global deste biocombustível no Brasil. E, com a expectativa de aumentar a demanda por esse produto da indústria da reciclagem animal, com a perspectiva do aumento gradual da mistura no diesel que hoje é de 11% para 15%.  Dessa forma, há uma estimativa de que o sebo bovino passe de 600 mil toneladas ano para próximo de um milhão de toneladas ano de biodiesel utilizando essa matéria-prima.

Cleber Soares, Diretor Executivo de Inovação e Tecnologia da Embrapa afirmou, “esta expectativa é muito boa para toda cadeia agropecuária bovina, principalmente para o setor final. “Espera-se um aumento de 50% na quantidade de sebo bovino usada na produção de biodiesel”.

As matérias-primas usadas na produção de biodiesel em 2018 foram de 70,07% a partir do óleo de soja, sendo o sebo bovino a segunda mais consumida, com participação de 13,12%. Desse total da gordura bovina, em termos de região, o Norte é o que mais tem inserção, cerca de 37%, sendo 33,76% no Sudeste, 24,45% no Nordeste, 13,99% no Sul e 5,96% no Centro-Oeste. Gorduras como a de suínos 2,13 e de aves 0,83  tiveram menor participação, e do material graxo de origem animal no mesmo patamar de sebo bovino, aproximadamente 13%. Por causa da composição química da gordura bovina, explica a pesquisadora da Embrapa Agroenergia Itânia Soares, as usinas produtoras de biodiesel costumam utilizar até 20% dessa gordura em mistura com os óleos vegetais para evitar a solidificação do biocombustível.

As gorduras animais são produzidas pelas indústrias de reciclagem animal, que coletam os resíduos de abates da indústria animal  e as transformam nesta matéria-prima para os biocombustíveis. O biodiesel veio para agregar, se tornando o mais importante mercado consumidor para o sebo bovino, colaborando com vantagens econômicas, ambientais e sociais para toda cadeia de carnes e de biocombustíveis.

AveSui2021_dentro

Aquilo que era resíduo e passivo ambiental  passou a gerar energia limpa que substitui o fóssil com todas as externalidades positivas atreladas, destaca Lucas Cypriano, da Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA). Ele conta que a coleta costumava se restringir às áreas mais próximas das indústrias, e muito resíduo de abate da indústria animal deixava de ser coletado. “O problema ambiental não era gerado pelo sebo ou pela indústria, mas pelo resíduo de abate da indústria animal ‘in natura’, ainda cru, na origem, sejam  abatedouros ou açougues de pequeno ou médio porte, que simplesmente não era coletado”.

“O sebo bovino era tido de forma muito clássica como resíduo da produção e de derivados do frigorífico.  A partir de 2005, com o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, o sebo como produto da indústria de reciclagem animal passou a ter um valor agregado, valorizando a atividade pecuária”, completou Cleber. “O sebo mais valorado viabilizou a coleta pelas indústrias de reciclagem animal nos frigoríficos e casas de carne com distâncias maiores, viabilizou o uso de transportes mais rápidos, aumentando significativamente o volume coletado, contribuindo de forma significativa para preservação o meio ambiente”, ressalta Cypriano. Embrapa Agroenergia

Assuntos do Momento

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021
23 de Fevereiro de 2021
Live

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021

Neivor Canton irá explicar o projeto de crescimento da avicultura da cooperativa em 20%, destacando ainda a expectativa de ampliar os embarques de frango e carne suína para a China em live às 10 horas no canal TV Gessulli

Katayama Alimentos investirá  R$ 15 milhões em 2021
26 de Fevereiro de 2021
Economia

Katayama Alimentos investirá R$ 15 milhões em 2021

A indústria avícola teve incremento de 40% em seu faturamento de 2020 e anuncia para este ano um aumento do plantel de aves e aposta nas exportações para Ásia e Oriente Médio

AveSui2021_dentro
Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE
24 de Fevereiro de 2021
Europa

Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE

Cerca de 5 milhões de aves já foram abatidas na Polônia, o maior produtor de aves da União Europeia, mostraram os dados da inspetoria veterinária local.

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho
25 de Fevereiro de 2021
Dicas Técnicas

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho

Por Scott Jordan, especialista em Incubação e Serviços Técnicos da Cobb-Vantress

Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO
25 de Fevereiro de 2021
Mercado

Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO

Fundada há mais de quarenta anos, a empresa tem uma capacidade diária de abate de aproximadamente 520 mil aves e vende para mais de 23 mil clientes por mês no Brasil e em 38 países

 

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%
24 de Fevereiro de 2021
Crescimento

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%

A estimativa do Ministério da Agricultura indica que o Valor Bruto da Produção na pecuária crescerá 5,1% neste ano, puxado por setores como frango, carne bovina e leite

Mais assuntos do momento