Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
América Latina

Setor avícola do Equador se prepara para exportar para América Central e Ásia

O setor avícola equatoriano tem interesse em exportar carne de frango para o Panamá e Hong Kong

Redação com informações de El Sitio Avícola
15-Jul-2021 08:27

O setor avícola equatoriano tem interesse em exportar carne de frango para o Panamá e Hong Kong e aproveitará as alianças que as empresas equatorianas têm com empresas desses mercados. A crise devido à pandemia Covid-19 provocou uma mudança nos planos de negócios das empresas.

“No caso do setor avícola do Equador, isso significou buscar a exportação para mercados da América Central e da Ásia”, afirma Diana Espín, diretora executiva da Corporação Nacional de Avicultores do Equador (Conave). “Há oportunidades de exportar para a Ásia e América Central, aproveitando as alianças que cinco empresas equatorianas têm nesses países”, explica Espín. O objetivo é exportar carne de frango para o Panamá e Hong Kong.

Por enquanto, Espín prefere não citar as empresas envolvidas, para não prejudicar as negociações. Embora se saiba que a Pronaca é uma das maiores empresas produtoras de carne de frango do país, sob a marca Sr. Pollo, e que tem vínculos com a empresa panamenha Productos Toledano. Uma das ações do setor avícola para começar a exportar foi a assinatura de dois acordos com a Agrocalidad para erradicar doenças que poderiam fechar as portas desses mercados para o Equador, informa Primicias .

Entre essas doenças estão Newcastle. O objetivo é cumprir todas as normas zoossanitárias.

"Existem empresas que apresentam alto padrão de qualidade e, acima de tudo, interesse em investir no projeto." Diana Espín, Conave

O segundo acordo trata da erradicação nacional das doenças avícolas, o que levaria cerca de cinco anos e para o qual é necessário investir pelo menos US $ 500 mil anuais. A maior produção de carne de frango está nas províncias de Guayas, Santo Domingo, Manabí e Pichincha.

Equador consome menos

Os planos de exportação do setor avícola respondem à contração da demanda no Equador devido à perda de poder aquisitivo. Um fenômeno que ocorre devido à queda nas vendas e na receita das empresas e do setor público, que tem levado à perda de empregos e corroído a capacidade de consumo das famílias.

Isso se reflete na queda do consumo anual per capita de carne de frango, que passou de 31 quilos em 2019 para 28 quilos em 2020, segundo o Conave. “Tem gente que comprava dois frangos e agora compra apenas um. Inclusive, a compra de carne de frango foi substituída por ovos, cujo preço é mais acessível ”, diz Espín.

Em 2020, a produção de frangos caiu quase 12% devido à pandemia Covid-19, que interrompeu a tendência de crescimento de 5% ao ano registrada pelo setor. Apenas três em cada dez membros da População Economicamente Ativa (PEA) do Equador têm um emprego adequado, segundo a Pesquisa Nacional de Emprego, Desemprego e Subemprego (Enemdu), publicada em 22 de junho de 2021.

Frango em casa

A retração da demanda também gerou mudanças nos hábitos de consumo, o que gerou novas tendências no setor, como a entrega do produto em domicílio e mais apresentações em barragens. “Embora as pessoas não pudessem sair devido às restrições de mobilidade, muitas das empresas adotaram a entrega ao domicílio de carne fresca de frango”, diz Espín, que acrescenta que esse canal de distribuição está estabelecido.

A maior demanda por entrega de frango também é evidente nas entregas em restaurantes. Em 2020, na categoria de alimentos, o frango, juntamente com a banana, eram os produtos mais demandados para entrega em domicílio no Equador, segundo a plataforma de embarque Rappi. Sobre as novas apresentações, Espín afirma que os supermercados passaram a oferecer mais frango na presa. “Agora são entregues filés de peito, com peso exato para descongelar, o que responde a um estudo do comportamento das famílias”, explica Espín.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade