Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
São Paulo

Setor da proteína animal acumula aumento de preços puxados pela demanda interna e externa

Alta do frango é atribuída à menor produção e à demanda doméstica mais aquecida, ja os preços médios para os suínos vivos cresceram 4,9% nos últimos 30 dias, o que se relaciona à chegada do inverno

Redação AI/SI
29-Jul-2020 10:03

Volume exportado de hortaliças cresce 300% em relação ao mesmo período do ano anterior e setor de transporte teve a menor queda registrada durante pandemia; informações são do Grupo de Monitoramento liderado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP

O preço médio do boi gordo em São Paulo acumula alta de 5,3% nos últimos 30 dias, assim como as cotações de frango vivo e os preços médios de suínos vivos, segundo a FinPec. A explicação para as altas está relacionada à demanda aquecida de carne brasileira no mercado internacional, no caso dos bovinos, e no mercado interno ao aumento de compra de carne de frango e de suínos. As informações constam no 13º relatório do Grupo Técnico de Monitoramento do Abastecimento de Produtos Agropecuários no Estado de São Paulo, liderado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e com a participação de representantes do setor privado. As informações são referentes ao período de 4 a 18 de julho de 2020.

De acordo com o levantamento, a alta do frango é atribuída à menor produção e à demanda doméstica mais aquecida, além das medidas de ajuste da produção por parte da indústria e dos produtores no 1º semestre de 2020, ações que se mostraram eficientes em conter desvalorizações. Os preços médios para os suínos vivos cresceram 4,9% nos últimos 30 dias, o que se relaciona à chegada do inverno, época em que tradicionalmente há aumento do consumo de carne suína, além da reabertura do comércio. O mercado de suínos independente continua em alta de 9% na Bolsa de São Paulo.

O relatório também destaca que, embora a demanda pelo serviço de transporte rodoviário ainda se mantenha em queda, há registro de recuos menores, chegando ao final da primeira quinzena de junho em -27,2%, a melhor marca já registrada. O faturamento das empresas que oferecem esse serviço, mesmo ainda em queda, iniciou no mês de julho com recuo de -83%, marca inferior à registrada nas duas últimas semanas de junho.

“Este relatório traz a consolidação de alguns cenários verificados já há algumas semanas para o setor de proteína animal, puxado tanto pelo mercado externo, como pelo mercado interno. Apesar da queda ainda na atividade de transporte, percebemos uma retomada gradual, o que é muito importante. O agro, durante todo esse período da pandemia, tem se mostrado forte e com capacidade para reverter a crise econômica. É o farol que norteará a melhora nos índices econômicos do Estado e do País”, afirma Gustavo Junqueira, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

O volume exportado de hortaliças como cenoura, tomate, cebola e batata cresceu mais de 300% no primeiro semestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. Entre as frutas cítricas, como tangerina, limão e laranja, devido à maior procura do consumidor por alimentos ricos em vitamina C, houve crescimento do volume exportado de 158%, 132% e 12%, respectivamente. A exportação de banana foi 17% superior no mesmo período.

Mesmo com as desvalorizações registradas em junho, os preços dos ovos ainda são superiores em relação ao mesmo período de 2019, em termos reais. O setor sucroenergético também teve uma leve recuperação dos preços do etanol atrelada ao comportamento do petróleo no mercado internacional e os preços do açúcar permanecem em alta, devido à entressafra na produção da Tailândia e da Índia, conforme a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). No café, mesmo com a menor disponibilidade de mão de obra nas regiões de colheita manual, não foram verificados impedimentos na atividade. Mais de 40% da safra de 2020/2021 já foi vendida e 20% da safra de 2021/2022 foi comercializada.

Segundo a CNA, os produtos lácteos tiveram valorização de 8,3% no mercado externo, mostrando um cenário positivo para os produtores brasileiros, pois desestimula a importação de leite e permite a volta dos grandes compradores e melhores negócios aos laticínios. A demanda interna por lácteos segue em alta e os preços de julho se mantêm firmes, com previsão de que se sustentem em agosto, segundo dados do Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA).

No setor da aquicultura e piscicultura, uma imposição de tarifa de importação de 25% pelos Estados Unidos sobre a tilápia chinesa pode ampliar as exportações do produto brasileiro. No mercado interno, a chegada do inverno desaqueceu o consumo de pescado, o que fez com que o preço da tilápia na Ceagesp caísse 13% em relação a sete dias anteriores ao último levantamento, conforme boletim da CNA.

Dados da FinPec registram valorização no mercado interno para a maioria das commodities como soja, milho, arroz, trigo e açúcar. Duas commodities seguiram na contramão registrando queda de preço, tanto nos últimos 30 dias, como no acumulado de janeiro a junho de 2020: feijão com -4,7% de jan-jun e -1,9% nos últimos 30 dias; e café com -15,2% de jan-jun e -1,5% nos últimos 30 dias. O IEA registra para o Estado de São Paulo desvalorização de preço em relação ao mês de junho para o café (-5,7%), arroz (-0,5%), feijão carioca (-27,9%) e milho (-2,1%). Para a soja, foi registrada valorização do preço em +1,3%.

Comercialização

Quanto à comercialização, o Entreposto Terminal de São Paulo da Ceagesp registra retorno à normalidade de maneira definitiva e elevação na quantidade de produtos ofertados, superando, inclusive, junho de 2019. O setor de supermercados e hipermercados registrou aumento médio anual acumulado em 16,1% no final da primeira quinzena de julho, conforme o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA/CIELO) do relatório do Instituto Food Service Brasil (IFB).

De acordo com o levantamento o Grupo de Monitoramento da Secretaria de Agricultura, o setor de Food Service continua registrando redução do faturamento de operadores e encerrou a primeira semana de julho com recuo de -46%. Os bares e restaurantes continuam sendo bastante afetados pela crise, com queda de -60,8% registrada para a primeira semana de julho.

Em 26 de julho, a Secretaria realizou o segundo episódio da live “Agro: o elo que une a economia”, que reuniu representantes do Grupo de Monitoramento para discutir a questão do Food Service e turismo em São Paulo. Segundo eles, diferente da cadeia do agro em geral, o segmento dos restaurantes e dos diversos operadores do Food Service foi profundamente afetado durante os quatro meses de pandemia.

No período de isolamento, as quedas das vendas no Food Service chegaram a -67,3%. O setor encerrou a primeira semana de julho com recuo de -46%, com uma tendência de ligeira recuperação. O ICVA da Cielo registra que o setor de bares e restaurantes continua sendo muito afetado pela crise, com queda de faturamento médio anual acumulada, porém indicando, quinzenalmente, aparente recuo das perdas em relação ao mesmo período em 2019.

O turismo gastronômico e outros serviços relacionados à alimentação também sofreram fortes impactos, os quais afetam a economia não só paulista, como brasileira.  Com a abertura parcial e diferenciada, o pior passou, porém a situação ainda se mostra delicada para estes segmentos. 

“É imprescindível repensar modelos de consumo, inovar no Business Model, e ainda, atrair investimentos para potencializarmos os setores de alimentação, o agro como um todo e ainda, estruturar bases para uma retomada econômica”, afirma Gustavo Junqueira.

Segundo o presidente do Instituto Food Service Brasil, Ely Mizrahi, mesmo com a flexibilização da quarentena em algumas cidades, o cenário ainda é complexo e incerto e o setor vem tendo que se reinventar, apostando, por exemplo, na eficiência da operação e no uso de tecnologias.

No turismo, a diminuição drástica nas viagens, somada ao fechamento de bares e restaurantes direta ou indiretamente vinculados ao nicho, trouxe impactos importantes. Para o secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Vinícius Lummertz, será necessário empenho na retomada. Ele enfatizou que a confiança entre empresas, poder público e consumidor precisa ser um eixo central na reestruturação da atividade.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade