Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Negociação

Tereza Cristina negocia garantia de fornecimento de insumos da Rússia

Tereza Cristina negocia garantia de fornecimento da Rússia

Redação com informações de Valor Econômico
24-Nov-2021 08:24

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, colocou em prática uma “diplomacia dos insumos” e voltou de Moscou, na semana passada, com a garantia de governantes e empresários russos de que o país cumprirá os contratos de fornecimento de fertilizantes ao Brasil sem a aplicação das restrições às exportações anunciadas recentemente pelo Kremlin.

A Rússia prometeu, também, ampliar embarques de potássio e fosfatados para suprir eventuais interrupções no abastecimento brasileiro dos insumos importados de Belarus e China, que enfrentam diferentes crises. Essa garantia pode dar maior segurança aos planos dos produtores para a safra 2022/23.

Embora restem dúvidas e riscos, o compromisso obtido foi considerado uma vitória importante de Tereza Cristina, sobretudo num momento em que sua Pasta é alvo de críticas por causa da demora da China em reabrir definitivamente seu mercado para a carne bovina brasileira.

A situação mais delicada é a de Belarus, de onde o Brasil importa 23% do potássio usado nas lavouras, ou cerca de 2,5 milhões de toneladas por ano. Os embargos econômicos que serão aplicados pelos Estados Unidos e pela Europa a partir de 8 de dezembro podem respingar nos negócios a longo prazo firmados com produtores e empresas brasileiras.

Alguns pagamentos das importações, por exemplo, são feitos por bancos americanos e poderão ser impedidos com as sanções, assim como a contratação de garantias e seguros, o que inibe a ação dos brasileiros. Em Brasília, o risco de interrupção do fluxo dos navios com potássio de Belarus passou a ser considerado bem possível.

Mas o governo brasileiro pisa em ovos. A diplomacia não pretende tomar partido sobre a crise política belarussa. A intenção é evitar uma exposição diante de qualquer negociação ou alinhamento com o presidente do país, Aleksandr Lukashenko, retratado como o último ditador da Europa. Qualquer movimento mais enfático poderia enfraquecer os embargos americano e europeu.

Já as empresas importadoras brasileiras quebram a cabeça para encontrar soluções para o impasse. Entre as alternativas estudadas está uma negociação via China e mesmo uma permuta, como o Brasil faz com o Irã, com a possibilidade do envio de cargas de milho em troca de fertilizantes. Mas o preço alto do insumo e a necessidade de refazer contratos em cima da hora são um problema.

O setor acredita que há disposição da Rússia em ajudar Belarus em caso de novas sanções, mas o uso dos portos russos para exportar os insumos demandaria adequações e investimentos inviáveis no curto prazo. O tempo também é inimigo no caso do Canadá, onde novas minas de potássio foram descobertas, mas a produção só deverá aumentar consideravelmente em alguns anos.

Em outubro, representantes de cooperativas brasileiras e da Belarusian Potash Company (BPC), braço da estatal de exploração de potássio Belaruskali, estiveram no gabinete da ministra Tereza Cristina, em Brasília, para avaliar o cenário. Uma das sugestões do setor no encontro foi que o governo acionasse instituições internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial do Comércio (OMC), como forma de pressionar a liberação do fluxo normal das exportações de Belarus, que ocorrem por terminal no porto de Klaipeda, na Lituânia.

O objetivo do governo é tratar a questão de forma generalizada, buscando organizar o ambiente para a negociação privada “assertiva e perene” e visando assegurar o abastecimento interno. Houve um salto no consumo de fertilizantes no Brasil nas últimas safras - de 36 milhões de toneladas, em 2019, para 40,5 milhões em 2020. As previsões mais modestas dão conta de que neste ano serão 44 milhões de toneladas.

A Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda) segue monitorando o mercado e está otimista de que o abastecimento será preservado em 2022. A reunião da comunidade europeia, no dia 8 de dezembro, para definir punições a Belarus, será determinante para tal, de acordo com o diretor-executivo da entidade, Ricardo Tortorella.

“O risco é haver sanção sobre a circulação de cloreto de potássio. Mas também existe a possibilidade de não acontecer nada”, disse ele. A expectativa de um final feliz aumentou com a atuação de Tereza Cristina e companhia em Moscou. “Foi a melhor ação e a melhor decisão possível. Havia risco de oferta limitada da Rússia, e esse risco agora a gente descarta”, disse Tortorella.

Segundo ele, as empresas de fertilizantes fizeram uma “ginástica” para garantir a distribuição dos adubos aos produtores em 2021. “Mesmo com todas as dificuldades previstas, conseguimos fazer as entregas”, disse Tortorella. O Brasil importa 85% desses produtos para atender à demanda doméstica.

O dirigente afirmou que as negociações para os próximos plantios seguem em ritmo normal. Cerca de 40% dos adubos da safrinha de milho do ciclo 2021/22 já foram negociados, e para a safra de grãos 2022/23 o percentual chega a 20%.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade