Yamasa
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Esforços

Uruguai desenvolve plano estratégico de 5 anos para alinhar os esforços do setor de carnes

INAC apresentou o seu plano estratégico para os próximos 5 anos, que incluirá todas as carnes

Redação
27-Jan-2021 10:56 - Atualizado em 27/01/2021 12:31

Em conferência de imprensa, o presidente do Instituto Nacional de Carnes do Uruguai (INAC), Fernando Mattos, fez referência ao contexto do mercado de carnes e enviou uma mensagem a todo o setor sobre o momento que temos que viver no Uruguai e no mundo devido à situação de pandemia.

O responsável pelo Instituto foi acompanhado por gestores da Área de Negócios; Pablo Caputi do Knowledge, Jorge Acosta do Information, Fernanda Cuervo do Mercado Interno e Lautaro Pérez do Marketing.

Durante a conferência, o INAC apresentou o seu plano estratégico para os próximos 5 anos, que incluirá todas as carnes. Em uma década, o Uruguai deve produzir 1 milhão de toneladas de todas as carnes, garantindo o abastecimento local e uma maior presença nos mercados internacionais. Na carne bovina, o objetivo é posicionar o Uruguai entre os 3 países que exportam seu produto com maior valor, a partir da melhoria do acesso e do desenvolvimento da marca.

O plano foi definido pela direção e será enriquecido em conjunto com o Ministério da Pecuária e agentes privados, para lhe dar mais projeção e solidez. Serão considerados todos os compromissos de sustentabilidade ambiental e social assumidos por nosso país em fóruns internacionais e estabelecidos nas diretrizes políticas de governo.

Elaborado em um determinado ano, desde o início da gestão no contexto de uma pandemia, leva fatores relevantes de longo prazo, que permitem lançar as bases para melhorar o posicionamento do setor de carnes uruguaio.

Apesar dos efeitos da pandemia, o INAC destaca que os setores da pecuária e da carne têm conseguido com trabalho conjunto, perseverança e cooperação manter todos os seus sistemas em funcionamento, sem escassez ou aumento de preços.

AveSui2021_dentro

O primeiro fator a levar em conta para o futuro é que a demanda mundial cria uma oportunidade de colocação para todas as carnes, levando em consideração a existência de saldo deficitário.

O segundo fator é a integridade do produto, visto que os principais mercados demandam esse atributo além de uma produção gerada com cuidado com o meio ambiente.

Em terceiro lugar, destaca-se o crescimento que a carne pode contribuir para o PIB e o emprego no país.

Por último, destaca-se o investimento, uma vez que as cadeias de carnes são historicamente destinatárias dele, sejam nacionais ou estrangeiras.

Tomando essas abordagens a partir do contexto de longo prazo, foram estabelecidas quatro linhas que indicam o andamento dos trabalhos até o ano de 2025.

  • Defesa das virtudes ambientais dos sistemas de produção pecuária de base pastoral e dos benefícios para a saúde humana do consumo equilibrado de vários tipos de carne na alimentação.
  • Valor agregado pela melhoria do acesso internacional às carnes uruguaias, posicionando a marca país no mais alto nível nesses mercados e atuando também no mercado interno com essa marca.
  • Defender a integridade dos produtos e processos utilizados nas cadeias de carnes, supervisionados e monitorados com modernos sistemas de informação digital, que também possibilitam a máxima transparência comercial.
  • Visa solucionar, com outras instituições, problemas específicos de competitividade nas diferentes cadeias com a contribuição de estudos que promovam ações executivas.
     

O mercado interno de carnes no Uruguai é redesenhado a partir de 2021

O INAC tem como uma das suas funções contribuir para garantir o acesso da nossa população à carne e derivados em quantidade e qualidade suficientes. 

AveSui2021_dentro

Nos últimos anos, e especialmente a partir desta Administração, o INAC decidiu apostar na formalização e promoção do mercado nacional sob um novo modelo. 

Nesse sentido, o processo de redesenho foi marcado por diferentes marcos, entre eles, a Lei de Transparência e Segurança Comercial, que confere novos poderes ao INAC e a Lei de Contraprestação que confere ao Instituto (a partir de 21 de janeiro de 2021) o concurso para viabilizar açougues em todo o país, após mais de 30 anos a cargo dos Governos Departamentais (exceto no caso de Montevidéu). O processo foi concretizado com a recente transformação da Gestão de Controladoria em Gestão do Mercado Interno, alterando a sua denominação, funções e estrutura.

Fernanda Cuervo, gerente de Mercado Interno, explica que esta nova abordagem visa atender o mercado interno de forma abrangente, com foco em infraestrutura, segurança de processos e adequação dos agentes por meio de equipes multidisciplinares, bem como o trabalho coordenado com outros órgãos estaduais (MGAP, Congresso Nacional dos Intendentes, dos Governos Departamentais e do Ministério do Interior). O foco é tornar os recursos humanos alocados ao mercado nacional mais eficazes e eficientes, contando com novos sistemas tecnológicos.

Entre as actividades que estão a ser realizadas estão a aprovação de um novo quadro regulamentar, a coordenação de um grupo de trabalho interinstitucional, o desenvolvimento e implementação de um sistema de registo digital de todas as operações com carne de abastecimento, um plano de promoção específico e a formação de agentes do mercado interno. 

Os próximos anos do mercado interno serão desafiadores e exigirão uma forte coordenação institucional, que beneficiará toda a cadeia, a população e o prestígio internacional das carnes uruguaias.

AveSui2021_dentro

Acesso e marca de carnes uruguaias  

Esses são dois pilares fundamentais do plano de médio prazo, explicou o gerente de marketing Lautaro Pérez em uma entrevista coletiva.

Em relação ao Acesso, o INAC elaborou uma Agenda para os mercados internacionais, que foi lançada no espaço “Procarnes”. É uma agenda de cinco anos, que é coordenada com a Chancelaria, o Ministério da Pecuária e o Ministério da Economia.   

Por outro lado, estão sendo realizadas campanhas para ativar e posicionar a marca uruguaia de carnes nos principais destinos de interesse (China, Alemanha, Estados Unidos, Japão e Brasil), com concentração de ações na Ásia.  

Destaque para a abertura do escritório do INAC na Ásia, que começou a funcionar em novembro. É a primeira vez que o INAC abre um escritório internacional; em tempos de pandemia, isso se torna de vital importância, pois permite que recursos locais sejam usados ??para realizar as atividades.   

A estratégia de trabalho segue um planejamento no varejo e no consumidor e, posteriormente, de acordo com o canal (restaurantes, supermercados, e-commerce). O grande compromisso de longo prazo do INAC é posicionar a marca ao nível do consumidor, especialmente nos países onde o Uruguai tem melhor acesso.   

Assuntos do Momento

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021
23 de Fevereiro de 2021
Live

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021

Neivor Canton irá explicar o projeto de crescimento da avicultura da cooperativa em 20%, destacando ainda a expectativa de ampliar os embarques de frango e carne suína para a China em live às 10 horas no canal TV Gessulli

Como iniciar uma produção de suínos?
19 de Fevereiro de 2021
TV Gessulli

Como iniciar uma produção de suínos?

A TV Gessulli conversou com o analista da Embrapa Suínos e Aves, Armando Lopes do Amaral, que trouxe dicas práticas de como montar uma granja de suínos

AveSui2021_dentro
Valorização dos ovos favorece recuperação do poder de compra do avicultor
18 de Fevereiro de 2021
Postura

Valorização dos ovos favorece recuperação do poder de compra do avicultor

Em janeiro, a relação de troca entre a proteína e esses insumos foi a maior da série histórica do Cepea

Escócia confirma segundo caso de gripe aviária
19 de Fevereiro de 2021
Sanidade

Escócia confirma segundo caso de gripe aviária

Autoridades de saúde animal identificaram um surto de gripe aviária H5N1 altamente patogênica em Fife.

 

Cobb-Vantress premia Ad'oro por melhor desempenho em SP
19 de Fevereiro de 2021
Premiação

Cobb-Vantress premia Ad'oro por melhor desempenho em SP

Empresa avícola do interior do Estado recebe premiações por Melhores Ovos Totais por Ave Alojada e Melhor Eclosão Total

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%
24 de Fevereiro de 2021
Crescimento

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%

A estimativa do Ministério da Agricultura indica que o Valor Bruto da Produção na pecuária crescerá 5,1% neste ano, puxado por setores como frango, carne bovina e leite

Mais assuntos do momento